Ministério da Cultura fará “gestão flexível” da cativação orçamental

O diretor geral das Artes, Jorge Barreto Xavier, afirmou hoje que será feita “uma gestão flexível” da cativação orçamental do Ministério da Cultura para reduzir o impacto do corte de 20 por cento de verbas na área artística.

“Estamos a trabalhar para gerir da melhor maneira uma situação que abrange o país e tem reflexos na área da cultura. Estamos a procurar minorar esse impacto”, afirmou o responsável.

“É nos momentos de dificuldade que temos de procurar soluções, e em conjunto com a ministra da Cultura”, disse Barreto Xavier, no final da cerimónia da entrega dos Prémios AICA/MC e AICA/Parque Expo, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, em Lisboa.

O responsável afirmou que se trabalha no sentido de o anunciado corte ser repartido por todas as rubricas do orçamento do Ministério da Cultura, de modo a dar margem de manobra à gestão da Direcção Geral das Artes (DGA).

O presidente da secção portuguesa da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA), Manuel Graça Dias, anunciou hoje a realização, em outubro de 2011, de uma exposição evocativa dos 30 anos dos Prémios, que será comissariada por Raquel Henriques da Silva, João Pinharanda e Ricardo Carvalho.

O Prémio AICA/Ministério da Cultura 2010 na área das artes visuais foi para o fotógrafo Paulo Nozolino, enquanto na arquitetura, a título póstumo, para o arquiteto Paulo Gouveia.

Pela primeira vez este ano, foi atribuído o Prémio AICA/Parque Expo para a Crítica de Arte, entregue à dupla Sandro Araújo e Pedro Mesquita, respetivamente autor e realizador do documentário “Paredes Meias”.

Receberam menções honrosas os críticos de arte Paulo Pires e de arquitetura Nuno Grande.

NL.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Lusa/Fim

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste