Albufeira: Crescimento das receitas do IMI pode ser “algo perigoso”, diz Presidente da Câmara

O presidente do concelho de Albufeira, José Carlos Rolo, considera que o crescimento de receitas do IMI para as autarquias é muito positivo “mas também algo perigoso, devido às oscilações que podem afetar as finanças do município”.
O autarca considerou o investimento no imobiliário como fundamental para o desenvolvimento dos territórios e, pela negativa, exemplificou com as implicações da recente crise económica na vida autárquica devido à diminuição do nível da construção e venda de imóveis, com enormes repercussões no IMT. – uma receita fundamental para as autarquias.
“Em 2011/12 arrecadámos à volta de 6 milhões de euros, em 2015/16 cerca de 18 milhões e só no último ano aproximadamente 22 milhões”, explicitou, considerando contudo que esse crescimento é “algo perigosos, devido às oscilações que podem afetar as finanças do município” .
José Carlos Rolo falava durante um encontro autárquico que reuniu dezenas de profissionais em Albufeira na passada segunda-feira, designado “Pequenos-Almoços do Imobiliário”, iniciativa da Vida Imobiliária e do jornal Público Imobiliário.
No encontro, José Araújo, do Millennium BCP, referiu que desde 2014 o banco colocou no mercado mais de 2000 imóveis no valor de 300 milhões de euros, dos quais 365 no concelho de Albufeira, no valor de 38 milhões de euros, o que demonstra a existência de um mercado extremamente dinâmico. Atualmente, a instituição bancária financia 17 projetos imobiliários na região, no montante de 109 milhões de euros, sendo que três são em Albufeira.
Prevê-se a continuação deste ciclo positivo, sendo que a maior parte das vendas são feitas a investidores estrangeiros, com destaque para novos mercados como o francês, o escandinavo e alguns russos, afirmou. “O mercado continua atrativo, há muitos projetos na área do turismo, sendo que a maior parte dos investidores são Fundos Internacionais que continuam a acreditar no Algarve e em Albufeira devido a fatores como o clima, a segurança e os prémios que temos vindo a receber na área do turismo”.
O diretor da Confidencial Imobiliário refere que de acordo com os dados do SIR – Sistema de Informação Residencial, Lisboa e o Algarve foram os mercados que mais recuperaram depois da crise, destacando que em Albufeira o preço de venda é de € 1800 m2, o segundo mercado mais valorizado na região, só ultrapassado por Loulé. Ricardo Guimarães é de opinião que o Brexit é um desafio enorme para a região. “Os ingleses continuam a investir no Algarve: mais de 50% das vendas são no segmento premium, nomeadamente na zona entre Albufeira e Loulé”.
Por sua vez, Ricardo Sousa, da Century 21, apresentou o Estudo do Acesso à Habitação em Portugal, com dados sobre o perfil do comprador, motivações para aquisição de casa, tipologia dos imóveis, taxa de esforço financeiro, etc.
O grande desafio que se coloca, sublinhou, “é encarar as dificuldades sentidas no mercado residencial, não como um problema mas como uma oportunidade de potenciar a oferta. Por outro lado é fundamental promover uma ação coordenada do mercado da habitação, não ao nível do concelho mas da própria região”, concluiu.

João Prudêncio

João Prudêncio

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar

Comentar

Tamanho da Fonte
Contraste