Amnistia Internacional denuncia clima de medo na Guiné-Bissau

.

Amnistia Internacional (AI) denuncia “clima de medo” que vigora desde terça-feira na Guiné-Bissau, e diz que o antigo secretário de Estado das Pescas, Tomás Barbosa, está refugiado numa embaixada.

A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje o “clima de medo” que vigora desde terça-feira na Guiné-Bissau, após as agressões a dois opositores e operações de busca a suspeitos de envolvimento no ataque a um quartel miliar no domingo.

“É inaceitável que os civis estejam a ser aterrorizados pelo facto de viverem numa área onde o exército suspeita que se escondem os apoiantes do antigo governo”, referiu Noel Kututwa, diretor da AI para a África Austral.

Num comunicado da AI hoje divulgado, Kututwa considera “imperativo” que as autoridades defendam o Estado de Direito “e investiguem este ataque em vez de perseguir os políticos da oposição”.

Membros do Governo deposto procuram refúgio em embaixadas

A organização de defesa dos direitos humanos denuncia a “violenta agressão” em 23 de outubro “a dois proeminentes críticos do governo de transição por soldados, alguns dos quais vestidos à civil”.

Iancuba Indjai, líder do Partido da Solidariedade e Trabalho, encontra-se atualmente a “receber tratamento médico numa embaixada”, enquanto Silvestre Alves, advogado e presidente do Movimento Democrático Guineense, “encontra-se atualmente hospitalizado numa unidade de cuidados intensivos, tem ferimentos graves na cabeça e duas pernas partidas”.

A ONG refere ainda que as autoridades procuram agora o antigo secretário de Estado das Pescas, Tomás Barbosa, acusado de conspiração no ataque de domingo.

De acordo com informações recolhidas pela Amnistia Internacional, Tomás Barbosa encontrou refúgio numa embaixada, à semelhança de outros membros do Governo deposto em abril, também recolhidos em diversas representações diplomáticas.

“Estes atos selvagens servem apenas para deteriorar a situação de direitos humanos no país e aumentar o clima de medo”, refere Noel Kututwa.

Na madrugada de domingo, um grupo de homens armados tentou tomar pela força o quartel dos para-comandos, uma unidade de elite das forças armadas da Guiné-Bissau, tendo resultado seis mortos dos confrontos, todos do grupo assaltante.

O Governo de Bissau alega que o ataque ao quartel de uma unidade militar de elite nos subúrbios da capital, Bissau, foi uma tentativa de golpe de Estado por parte dos apoiantes do anterior primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, também destituído após um golpe de Estado em abril.

Maria Luiza Rolim (Rede Expresso)
Advertisements

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar
Advertisements
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste