COVID-19

Animação noturna continuará fechada, diz associação algarvia

G lick vilamoura

O presidente da Associação de Discotecas do Sul e Algarve (ADSA) considerou esta terça-feira que o alargamento do programa Apoiar aos espaços de animação, anunciado pelo Governo, significa que discotecas e bares “vão continuar de portas fechadas” este ano.

“Se o governo tivesse intenção de abrir os bares e discotecas não vinha com esta medida do Apoiar, o que é sinónimo de que a animação noturna vai continuar de portas fechadas”, disse à agência Lusa Liberto Mealha, presidente da ADSA. 

O alargamento do programa Apoiar às empresas que continuam encerradas desde o início da pandemia de covid-19, como é o caso dos espaços de animação noturna, foi anunciado pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, durante uma audição regimental na comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

Liberto Mealha, detentor de vários espaços de animação noturna em Albufeira, considera que o programa Apoiar “é bem-vindo para atenuar os prejuízos, mas pouco eficaz para resolver os problemas dos empresários”.

“Há empresários que têm espaços arrendados com custos muito elevados e precisamos mesmo de apoios, mas só os apoios não chegam, precisamos de trabalhar porque, senão, toda a atividade vai por água abaixo”, alertou.

Para Liberto Mealha, o Governo devia ponderar a abertura dos espaços de animação noturna “com algumas restrições, nomeadamente a pessoas com o certificado de vacinação e submetidas a testes para despiste da doença”, tal como foi implementado para a restauração e alojamentos.

O presidente da ADSA defende que “está na altura de as autoridades abrirem as portas” dos espaços de animação noturna com restrições sanitárias, bem como “o alargamento do horário de funcionamento até à uma da manhã”.

“Sempre pensei isso, mas, pelo que estou a ver, já não vai acontecer. Estes horários em vigor na restauração não servem minimamente a ninguém. Nem para nós nem para os turistas que nos visitam”, advogou.

Liberto Mealha disse ter esperança de que “muito breve possa ser alargado” o horário de funcionamento até à uma da manhã, à semelhança do que aconteceu no ano passado, o que permitiu aos empresários “atenuarem os prejuízos causados pelas restrições impostas” no contexto da pandemia da covid-19.

“É importante trabalharmos e termos apoios, porque corremos o risco de toda a atividade ir por água abaixo, colocando milhares de pessoas no desemprego”, reforçou.

O programa Apoiar consiste num apoio de tesouraria, sob a forma de subsídio a fundo perdido, para apoio a empresas dos setores particularmente afetados pelas medidas excecionais aprovadas no contexto da pandemia da doença covid-19.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste