António Arnaut acusa PSD de querer destruir o Estado Social

O socialista António Arnaut, fundador do Serviço Nacional de Saúde (SNS), disse hoje que a proposta de revisão constitucional do PSD “é uma tentativa de golpe de estado”.

Em declarações à agência Lusa, António Arnaut acusou o PSD e o seu líder, Pedro Passos Coelho, de defenderem “uma subversão completa do modelo social” consagrado na Constituição da República Portuguesa.

“Ele pretende mudar o nosso modelo social de uma forma perfeitamente reacionária e insensata”, acrescentou.

Na sua opinião, o PSD quer “um recuo civilizacional de 40 anos”, quando “pretender destruir o Estado Social para voltar ao Estado Novo”.

“É uma proposta verdadeiramente insensata, é um despautério político”, afirmou António Arnaut.

Particularmente na área da saúde, “só a igualdade é que garante a dignidade de todos”, sublinhou o criador do SNS, acusando o PSD de pretender deixar “para os pobres uma medicina caritativa” semelhante à que existia no tempo da ditadura de Salazar.

A proposta social democrata prevê que sejam apagadas da Constituição as alíneas que atribuem ao Estado o dever de assegurar o acesso gratuito aos cuidados de saúde.

O direito à proteção da saúde continuaria a ser assegurado através de “um serviço universal e geral”, mas deixaria de estar escrito na Constituição que o direito à saúde é “tendencialmente gratuito”.

O Estado “não pode perguntar a uma pessoa se é pobre, rica ou remediada”, disse António Arnaut, alertando que “não pode haver pagamento no ato” da prestação do cuidado de saúde, o que seria “uma desigualdade e uma discriminação”.

“No sistema fiscal é que cada um paga conforme pode”, acentuou.

Para o antigo ministro dos Assuntos Sociais, “nem a direita mais reacionária”, na qual inclui a “direita social” e o CDS, “se atreveria a propor alterações destes género”.

António Arnaut disse “estranhar” também que o PSD avance com esta proposta de revisão constitucional no ano em que Portugal comemora o centenário da implantação da República.

“Os direitos sociais transformam a República numa cadeia de solidariedades”, referiu.

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste