As caras por trás do “Protesto da Geração à Rasca”

Trabalharam para pagar os estudos, concluiram-nos e, agora, não querem viver na indefinição da precariedade. O Expresso foi conhecer três das caras por trás do “Protesto da Geração à Rasca “, agendado para 12 de março.

São um grupo de amigos, todos licenciados em Relações Internacionais. Findos os cursos e respetivos mestrados, vivem todos na indefinição profissional. Uns estão a cumprir bolsas e estágios profissionais de curta duração, outros estão desempregados.

Cansados à partida da sombra da precariedade que poderá ditar os seus futuros, decidiram dizer “basta!”. E via Facebook lançaram o desafio: levar à rua um protesto contra a vida “à rasca”.

Dia 12 de março tencionam desfilar na Avenida da Liberdade, em Lisboa, e na Praça da Batalha, no Porto. E não estão sozinhos: mais de 20 mil pessoas já aderiram ao protesto.

Alexandre de Sousa Carvalho, Paula Gil, João Labrincha e António Frazão dão a cara pelo “Protesto Geração à Rasca” , mas são apenas alguns dos rostos por trás da gigante organização do protesto.

De forma “laica, pacífica e apartidária” desafiam todos os “desempregados, ‘quinhentoseuristas’ e outros mal remunerados, escravos disfarçados, subcontratados, contratados a prazo, falsos trabalhadores independentes, trabalhadores intermitentes, estagiários, bolseiros, trabalhadores-estudantes, estudantes, mães, pais e filhos de Portugal” a participarem no protesto.

Paula Cosme Pinto/Rede Expresso/JA

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar

Comentar

>
Tamanho da Fonte
Contraste