OPINIÃO

AVARIAS: A grande reinação

OPINIÃO | FERNANDO PROENÇA

Parece que o assassino Mário Machado deu uma entrevista, que eu não vi nem quero ver, à RTP. Consta que o senhor supracitado, tem a intenção (ou alguém por ele) de se candidatar a líder da Juve Leo. Também parece que existe muita gente que anda um bocadinho aborrecida com esse facto. Nos que andam aborrecidos, existe um sector que sim senhor, deve andar aborrecido; sempre se bateu por uma certa moralidade, pelo menos no que toca à RTP. O serviço público não deve (nem devia poder) publicitar gente que vive em contramão com a democracia, querendo acabar com ela, pelo menos na forma como a conhecemos. Depois existem os outros, os que não pensam assim: os que não pensam assim, dividem-se em vários grupos, entre os quais e logo à partida o dos que não pensam. Os que não pensam vivem num mundo baril e maravilhoso e nada lhes faz mossa: são a grande maioria da população portuguesa. Por não pensar designo não ligar propositadamente causas e consequências, ver no consumo de tofu o futuro para um Mundo mais sustentável, ou achar que o perigo da eutanásia é matar velhinhos com uma injecção por trás da orelha. É verdade que neste grupo se encontra Assunção Cristas. Depois chegam os outros, os que pensando, possuem uma força tal de pensamento, que presumem sermos todos imunes aos maus exemplos: para eles tanto se lhes dá como deu, pensam (pelo menos dizem-no) que Bruno de Carvalho até pode ser um grande presidente e um homem capaz, mesmo depois de anos e anos de desmandos e más educações, mas um dia descobrem o seu fundo, que para eles estava lá muito no fundo, afinal o rei ia nu e o homem é um burgesso. Nesse amplo grupo encontra-se o grande psiquiatra Daniel Sampaio, que nem com uma candeia acesa percebeu a natureza do presidente que tinha entre mãos. Desculpem o meu manifesto exagero mas uma coisa muito parecida passou-se com a ascensão do nazismo na Alemanha entre guerras, muitos dos bem pensantes nunca pensaram ser possível que uns bandidos encartados (as SA) e posteriormente uns bandidos encartados e institucionais (as SS e a Gestapo) pudessem ser perigosos, até matarem e espancarem, em nome da revolução ou do Estado. Depois foi o que se viu. Agora que a política parece já não dividir nem assustar, damos de barato que, desde que nos divirtamos, tudo se pode passar: por exemplo os arraiais dos alunos universitários fazem gala de contar com músicos (?), que nem podiam ter lugar nas piores tascas do meu Portugal, só porque tem piada tomar atitude dessas. E um presidente que devia fazer corar de vergonha os associados do Sporting, nos seus piores sonhos, é sufragado duas vezes como vencedor absoluto. Pôr Mário Machado à frente da Juve Leo (ou outra qualquer juve) será a cereja sobre o bolo dos que não se importam que haja gente a ser incomodada por uma série de energúmenos, desde que os incomodados não sejam eles. Um dia, muitos dos bem instalados na vida podem vir a sofrer o que os jogadores do Sporting passaram em Alcochete. Nessa altu- ra pode ser que abram os olhos, se estes não foram esmurrados.

Fernando Proença

Advertisements

Assine já com 10% de desconto. Cupão: CPNOVO Ignorar

Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: