POLÍTICA

Bacalhau quer concluir obras do Jardim da Alameda antes do fim do ano

Jardim da Alameda, em Faro
Jardim da Alameda, em Faro

O candidato do PSD à Câmara de Faro, Rogério Bacalhau, disse esta quinta-feira acreditar que pode “devolver” o Jardim de Alameda aos farenses e iniciar a recuperação da Mata do Liceu até ao final do ano.

O atual autarca em Faro comprometeu-se ainda a requalificar a frente ribeirinha e a aumentar a habitação social nos próximos quatro anos.

À margem de uma ação de campanha no centro da cidade, Rogério Bacalhau sustentou que “há mais de 50 anos” que os dois espaços verdes não tinham uma requalificação “profunda” e adiantou que, no caso da Mata do Liceu, há “mais uma centena de árvores mortas que vão ter que ser substituídas.

O autarca destacou também o processo de reabilitação da zona ribeirinha, no qual se insere o projeto da passagem de nível aérea sobre a linha do comboio junto ao Teatro das Figuras, que disse estar numa fase “muito adiantada”, prevendo que o concurso público para a empreitada seja lançado “no próximo ano”.

Esta reabilitação implicará ainda a passagem para gestão camarária da estrada a sul da linha do comboio, a construção de “três passagens de nível” pedonais e cicláveis desniveladas, o “porto de recreio exterior”, assim como a ligação da atual zona da doca ao largo de São Francisco com a construção de “dois portos”, adiantou.

“Nos próximos quatro anos, este projeto estará em obra certamente com alguns coisas concluídas e outras a serem concluídas”, assumiu.

O atual presidente, que se recandidata ao seu terceiro e último mandato, revelou que estão também projetados “mais alguns parques verdes” nas urbanizações que estão a ser desenvolvidas na cidade.

Numa ação que levou parte do atual executivo a visitar algumas lojas e cafés da cidade e onde era notória o à-vontade entre o presidente e alguns munícipes, entre distribuição de jornais, panfletos, canetas “para fazer o euromilhões” e fotografias, houve convite para rodadas e pedidos de casas para os filhos, sob acusação de que “as dão a quem bem querem”.

Questionado sobre a falta de habitação num concelho que, segundo o último censos, ganhou cerca de 6.500 habitantes, Rogério Bacalhau revelou que a Câmara vendeu a semana passada dois lotes de terreno para a construção de “90 fogos a custos controlado, com um prazo execução de 900 dias”.

O autarca avançou que, na freguesia de Estoi, está em construção uma urbanização a custos controlados com “275 fogos” e outra na zona dos Braciais com 224 para habitação social e “mais 74” a custos controlados.

Na freguesia de Montenegro está a ser ultimada a construção de “cinco prédios (49 fogos)” para o realojamento dos pescadores da Praia de Faro e, na cidade de Faro, irá surgir mais um prédio com “24 fogos” para habitação social.

“O que temos programado dará mais de 400 fogos a custos controlados e mais 150 de habitação social, no que será um esforço do município para minimizar a questão da construção”, acrescentou.

Rogério Bacalhau destacou também um esforço “muito grande” da iniciativa privada com a construção de “100 fogos nos último cinco anos”, realçando que os serviços do município aprovam hoje os projetos “em tempo útil” sem que as pessoas precisem de “dois ou três ano para ver o projeto aprovado”.

Rogério Bacalhau tem como adversários na corrida à presidência da capital algarvia o antigo vereador socialista João Marques, Catarina Marques (CDU), Custódio Guerreiro (Chega), Elza Cunha (PAN) e Aníbal Coutinho (BE).

Nas eleições de 2017, a coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM obteve 43,94% dos votos, alcançando maioria absoluta no executivo, com cinco vereadores. O PS conseguiu 38,06% dos votos (restantes quatro vereadores) e a CDU, com 7,38%, perdeu o vereador que tinha assegurado em 2013.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste