ALGARVE POLÍTICA

Bloco de Esquerda considera que orçamento 2020 é “uma desilusão” para o Algarve

[mobileonly] [/mobileonly]

O Bloco de Esquerda classificou como “uma autêntica desilusão” para o Algarve o Orçamento de Estado para 2020, principalmente pela mão do PS, “que acabou por chumbar propostas fundamentais, apresentadas pelo Bloco de Esquerda”, para o desenvolvimento da região.

Assim, recordam os bloquistas, o PS voltou a reprovar a eliminação das portagens na Via do Infante (acompanhado pelo CDS e a abstenção do PSD), “persistindo em manter um erro crasso e trágico para o Algarve, quando se sabe que na região o ano de 2019 terminou com mais de 10 mil acidentes e com muitas vítimas, grande parte na EN125 (desde 2016 são 4 anos seguidos com mais de 10 mil acidentes por ano e as vítimas a aumentar)”.

“O almejado Hospital Central do Algarve sofreu mais um retrocesso neste Orçamento, não obstante o palavreado da ministra da Saúde em sentido contrário, pois o PS reprovou uma proposta do Bloco (com a abstenção do PSD), que propunha começar a concretizar a sua construção. Curiosamente, no Orçamento para 2019 tinha sido aprovada uma proposta mais ou menos idêntica”, afirmam os bloquistas algarvios.

O BE/Algarve evoca também, pela negativa, a rejeição pelo PS, PSD e CDS (com a abstenção do PAN) da criação de uma Empresa Pública de Dragagens, que tanta falta faz para o desassoreamento de portos, barras e canais, o qual está a contribuir para o agravamento das dificuldades da pesca e comunidades piscatórias.

“Também foi reprovada, com os votos contra do PS e do PAN e a abstenção do CDS, a atribuição de verbas para a renovação e modernização de edifícios de lotas degradados, ou com problemas de segurança o que, infelizmente, é uma realidade no Algarve”, lamenta o BE.

Critica também o chumbo pelo PS, com a abstenção do PSD e CDS, da atribuição de uma verba para dar início à construção do novo edifício da Polícia Judiciária de Portimão (Departamento de Investigação Criminal), cujas atuais instalações “não oferecem condições dignas de trabalho e de atendimento”, segundo os bloquistas.

Uma outra proposta bloquista para a atribuição de uma linha de apoio aos municípios para a requalificação de mercados e feiras municipais com áreas de prioridade à produção local e sustentável “foi também reprovada pelo PS, PCP e PAN, com a abstenção do PSD e CDS”.

“Como se comprova, o PS e o Governo (em parte acolitados pelo PSD e CDS), não querem que haja investimento público no Algarve. António Costa continua a tratar muito mal o Algarve e as suas populações e o Orçamento de Estado para 2020 aí está para o comprovar. A subserviência a Bruxelas e ao excedente orçamental é uma das marcas deste Orçamento. Em suma, o PS bloqueia o desenvolvimento do Algarve”, enunciam os bloquistas.

O Bloco de Esquerda/Algarve garante que “irá empenhar-se, de forma determinada, dentro e fora do Parlamento, para a construção de uma alternativa à esquerda, popular e verdadeiramente socialista na região”.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste