Bocas de incêndio não funcionaram no centro histórico de Lagos

Foto de Raymond Dumas
Foto de Raymond Dumas

O fogo que destruiu um restaurante, ontem à noite, pelas 20h00, no centro histórico de Lagos, tendo provocado um ferido ligeiro (a cozinheira do estabelecimento devido à inalação de fumos), podia ter tido consequências mais graves.

Tudo porque, segundo várias testemunhas que presenciaram os momentos de pânico, os bombeiros depararam-se com a inoperacionalidade das bocas de incêndio presentes no local.

Perante o sucedido, o Jornal do Algarve tentou esta manhã contactar os Bombeiros Voluntários de Lagos, que, para já, recusam comentar o assunto, remetendo para mais tarde mais esclarecimentos.

As testemunhas no local afirmaram ao JA que é “preocupante e problemático” este caso, considerando mesmo “inadmissível” uma situação desta natureza.

O fogo começou no restaurante “Miam”, em pleno centro histórico da cidade de Lagos, quando uma fritadeira começou a arder. Há testemunhas que dizem que a cozinheira atirou água para cima das chamas, agravando bastante a situação.

De referir que a zona onde decorreu o incêndio é uma área com várias casas antigas e ruas estreitas, algo que torna difícil o acesso dos meios de socorro.

Apesar do sucedido, os bombeiros conseguiram controlar as chamas e impedir que o fogo atingisse os edifícios vizinhos.

O fogo foi combatido não só pelos bombeiros de Lagos, como também de várias corporações de concelhos vizinhos, entre os quais, Portimão, Aljezur, Silves e Vila do Bispo.

NC|JA

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar

Comentar

>
Tamanho da Fonte
Contraste