OPINIÃO

CARLOS ALBINO

SMS - Carnaval, modelo esgotado

 SMS 403 – Carnaval, modelo esgotado

Muitos assim pensam, mas nem todos dizem em voz alta que o modelo destes carnavais está esgotado. Como se fosse um país tropical, desfilam nestes três dias umas raparigas contratadas com umbigo à mostra, anel no umbigo e uma pétalas a tapar o bico dos seios, a desafiar frio de rachar, em cima de carros alegóricos que estão longe do que seja alegoria, sendo apenas ingé-nuos resultados de raciocínios analógicos, ainda assim a civilizar manifestações de barbárie recalcada a que se chama alegria e brincadeira mas que é, de modo geral, alegria triste e brincadeira sem sentido. Dá pena ver essas raparigas dos trópicos, com sorriso forçado e, sem dúvida à espera do cheque – não têm nada a ver com a terra, seja esta lá do Norte ou cá do Sul. Até nas terras, como no caso de Loulé, onde o carnaval já foi verdadeiro teatro de rua espontâneo, colocando-se em corso, o que, por certo durante séculos se fazia de forma dispersa e com excessos, os três dias deixaram de ser de mascarinhas, de festa cruzada, de crítica e representação cénica popular numa apoteose de flores de papel, música de bandas e grupos, para dar lugar a um impossível Rio de Janeiro sob nuvens de inverno que é estação de quando o sol é uma sorte. E assim se apagou uma tradição de séculos e se foi diluindo o pouco que o corso dela ainda foi conservando. A agravar, o êxito aparente dos desfiles tropicais mas grotescos embora iluminados por efémeras estrelas de telenovela de fatela pagas a peso de ouro apenas para que alguma televisão também efemeramente ajude ao prestígio falso de três dias, foram sendo imitados por todos os lados, perdendo-se em muitos casos a noção da saloice atroz e com cada carnaval assim estar a matar o outro e todos em conjunto acabarem por matar o que devia ser festa, divertimento e manifestação de alegria coletiva que deixou de ser – ficam os retratos e vídeos das criancinhas que mal percebem o porquê dos trajos ao lado de adultos sorumbáticos e com fatos de ir à missa. Digo já que esta crítica não tem nada a ver com moralismos, muito menos com os resultados de bilheteira que são escassos e não dão para cobrir o que a casa gasta – até defendo que o carnaval seja o momento de oportuno para desafio da falsa moral e dos falsos moralistas. É apenas para dizer com franqueza que o modelo deste “carnaval global” e que ou é igual em todo o lado ou não passa de imitação amacacada, está esgotado e caso queiram que o carnaval continue, algum esforço tem que ser feito para ir às origens e adaptá-las ou inseri-las na modernidade. Isso é trabalho para equipa onde esteja o antropólogo cultural, o homem de teatro e, claro está, um animador cultural encartado ou a sério e não mascarado. Não é show que se encomende a uma agência de shows. E numa região de turismo como é o Algarve, pelos carnavais que por aí houve, é caso para se adaptar com as devidas consequências aquele dito segundo o qual em casa de ferreiro, espeto de pau.

 
Flagrante constatação: O bem precioso que é o Pátio de Letras, em Faro – pelo ambiente, pelas iniciativas, pelo ar que se respira e pela constatação de que os milagres são feitos com coisas simples e na simplicidade mas, e aqui está o mas, com insinuante inteligência.
PUB
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste