POLÍTICA

CDU reivindica 35 horas para todos os trabalhadores da autarquia de Faro

Catarina-Marques cdu
Catarina Marques, candidata da CDU à Câmara de Faro

A candidata da CDU à Câmara de Faro reivindicou horários iguais para os trabalhadores da autarquia, para que todos tenham 35 horas semanais de trabalho, o que ainda não acontece numa das empresas municipais do concelho.

Catarina Marques reiterou à Lusa a importância de a CDU voltar a eleger um vereador, para contribuir para a defesa dos direitos dos trabalhadores.

“A eleição de um vereador é importantíssima para trazer estas questões para cima da mesa que, normalmente, não vêm, nem por parte do PS, nem do PSD”, defendeu a cabeça de lista da coligação, a terceira força mais votada nas eleições autárquicas de 2017.

A CDU conseguiu eleger em 2013 um vereador para a Câmara de Faro, liderada pelo PSD desde 2009, mas o número de votos obtido em 2017 não foi o suficiente para a coligação conseguir reeleger um vereador em 2017. 

Catarina Marques classificou como “muito injusto” o facto de, dentro do conjunto dos trabalhadores camarários, uns “beneficiem das 35 horas semanais” e outros, pertencentes à Fagar, empresa municipal de gestão de água e resíduos detida em 51% pela autarquia, “continuem a trabalhar as 40 horas”.

Realçando que a CDU, nomeadamente o PCP, está “muito ligado” à luta dos trabalhadores a candidata lembrou a sua intervenção na “reivindicação dos 25 dias de férias” e na aplicação do suplemento remuneratório de penosidade e insalubridade.

“Infelizmente, na Câmara de Faro [o suplemento] poderia ter sido alargado a mais trabalhadores e ser pago a valores mais elevados e, na freguesia de Conceição e Estoi, ainda não se aplica o suplemento aos seus trabalhadores”, destacou.

A dificuldade de contratação de técnicos de certas profissões, nomeadamente, pedreiros, carpinteiros, calceteiros ou serralheiros, foi um dos temas abordados, ficando-se a saber que os concursos ficam “muitas vezes vazios” porque a remuneração “não é atrativa”, sendo bem inferior à que conseguem auferir fora do setor público.

A visita dos candidatos pelos corredores dos serviços municipais revelou uma grande familiaridade entre alguns membros da lista e trabalhadores camarários já reformados e os seus colegas, com alguns a reproduzirem palavras de afeto.

Catarina Marques tem como adversários na corrida à presidência da capital algarvia o ‘repetente’ Rogério Bacalhau (PSD/CDS-PP/IL/MPT/PPM) – que se candidata a um terceiro e último mandato -, o antigo vereador socialista João Marques, Elza Cunha (PAN) e Aníbal Coutinho (BE).

Nas eleições de 2017, a coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM obteve 43,94% dos votos, alcançando maioria absoluta no executivo, com cinco vereadores. O PS obteve 38,06% dos votos (restantes quatro vereadores) e a CDU, com 7,38%, perdeu o vereador que tinha assegurado em 2013.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste