ATUALIDADE PAÍS POLÍTICA

“Comigo não haverá despedimentos na função pública nem aumento de impostos”

[mobileonly] [/mobileonly]
.
.

Na semana em que o Governo anunciou a saída limpa do programa de ajustamento e o aumento de impostos inscrito no documento de estratégia orçamental (DEO), António José Seguro sai ao ataque: “Apesar da boa notícia da saída, o país está pior, no caminho errado e precisa de mudar de rumo”.

Seguro promete que fará melhor e que consigo a austeridade é para acabar: “O que posso garantir é que não haverá aumento da carga fiscal”. Mas não se compromete com uma baixa porque não sabe em que estado irá “receber o país” – a desculpa usada por todos os últimos primeiros-ministros, como o célebre “desvio colossal” de Passos Coelho que acabou a justificar o “enorme aumento de impostos”.

A outra promessa deixada na entrevista diz respeito à função pública: “Não haverá nenhum programa de despedimentos”.

Europeias: Seguro não teme divergências

A entrevista, que é publicada na íntegra este sábado no Expresso e com transmissão, também no sábado, na SIC Notícias, passou também pelas eleições Europeias de 25 de maio.

O líder socialista, que tem como cabeça de lista Francisco Assis, afirma que estas eleições são uma “oportunidade para os portugueses castigarem o Governo”.

Seguro recusa a ideia de estar isolado naquilo que defende para a Europa e desvaloriza o facto do candidato socialista à presidência da Comissão Europeia, Martin Schulz, já se ter distanciado de algumas propostas do PS (mutualização da dívida e comparticipação no subsídio de desemprego): “Qual é o problema de haver divergências? Eu defendo o que é melhor para o meu país”.

Quanto aos resultados, o líder PS só diz que quer “ganhar”, mas não se compromete com objetivos concretos.

A sua maior preocupação é a abstenção, que é tradicionalmente elevada em Europeias: em 2009 atingiu os 60% e, se o cenário se repetir, o PS será seguramente um dos mais afetados.

Seguro precisa dos votos como de pão para a boca mas recusa que a sua liderança esteja dependente de um bom resultado eleitoral: “esta eleição não tem a ver comigo”.

Questionado se as suas escolhas para candidatos refletem uma preocupação com a unidade interna (visível na inclusão de Assis como cabeça lista ou Pedro Silva Pereira, ex-número dois de José Sócrates, em sétimo lugar), o líder do PS nega essa leitura. Garante que não fez as escolhas “a olhar para dentro” e que o “PS está de boa saúde e recomenda-se”.

Nesta entrevista, volta a defender que o PS deve ter uma palavra a dizer na escolha do próximo comissário europeu apesar de não estar no Governo. Nos últimos dias começou a circular o nome de António Costa (quem sabe lançado pela Direita a quem continuaria a convir ter Seguro na liderança socialista), uma possibilidade que Seguro não enjeita: “António Costa, António Vitorino… há vários nomes.”

RE

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: