ALGARVE

Covid-19: ARS garante que Algarve está preparado

O presidente da ARS/Algarve, Paulo Morgado, afirmou hoje que o Algarve tem capacidade suficiente para fazer face a um eventual aparecimento de contágios por Covid-19, nomeadamente a capacidade hospitalar para internar doentes “a partir do momento em que a DGS entenda que o Hospital de Faro será o Hospital de referência na região” para esse efeito.

Recordando que depende da Direção Geral de Saúde (DGS) a eventual ativação de resposta regional numa situação de crise, pois “são eles que estão a coordenar a resposta a nível nacional”, garantiu que as autoridades sanitárias do Algarve têm “capacidade para entrar [em ação] a todo o momento”.

“Estamos com capacidade de internamento, capacidade laboratorial, equipamentos, pessoal disponível no nosso laboratório para fazer os testes de diagnósticos, temos kits encomendados às empresas mas as empresas que os produzem, que elas próprias estão com dificuldade em fornecer os kits”, enunciou o responsável máximo da Administração Regional de Saúde (ARS) da região.

Sobre o acolhimento aos viajantes chegados de zonas mais problemáticas do ponto de vista da emergência de casos de contágio, sublinhou que “estão a ser distribuídos aos passageiros nos aeroportos folhetos com o que devem fazer caso tenham sintomas. Não está aconselhado a fazer controlos de temperaturas ou outro tipo de rastreios. Nem fechar fronteiras”.

“O que estamos a aconselhar é que as pessoas se protejam, evitarem contactos muito próximos com os outros, lavarem as mãos e que tenham etiqueta respiratória. Se se sentirem mal devem contactar a linha SNS24”, que as encaminhará para os serviços de saúde, disse.

No caso específico dos italianos e viajantes entre o aeroporto de Faro e território transalpino, observou que o controlo está a ser feito sobretudo nas zonas mais atingidas da própria Itália, país que “já está a impedir que as pessoas que entram em zonas onde o vírus circula livremente saiam daí sem controlo. Se entram já não saem. Milão não está fechado. A pessoa só por ter estado em Milão não está em alto risco. Só está se vier de uma zona em que existem muitos doentes”.

“Esta situação já está a ter profundas implicações, até do ponto de vista turístico, cancelamentos, redução das viagens e gerou-se um ambiente de alguma paranóia”, reconheceu Paulo Morgado.

Garantiu ainda que vão sair mais indicações de como lidar com o coronavírus em breve, “talvez no inicio da próxima semana” e enfatizou que, na “batalha da informação, a DGS criou um novo micro-site sobre o assunto.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste