“Doce Natal” para instituições de solidariedade social de Lagos

.

Cerca de 34 trabalhadores da autarquia de Lagos participaram no “Doce Natal”, um atelier de doçaria tradicional desta época que se realizou não só com o objetivo de aprender mas, principalmente, de adoçar o Natal daqueles que, nestes dias difíceis, não teriam facilmente acesso a estes mimos. Este ano a iniciativa contou também com o patrocínio de alguns supermercados locais que se quiseram associar a este gesto solidário.

A quadra natalícia é sinónimo de tempo de paz, amor e solidariedade … associado aos hábitos da doçaria e da gastronomia tradicional.  Nesta época em que se está mais disponível para o reencontro com a família e amigos, promovem-se convívios e pequenos gestos solidários para ajudar a minimizar o desalento dos mais vulneráveis.

Foi o caso desta iniciativa, já na sua segunda edição. Organizado por um grupo de trabalhadores da autarquia, o “DOCE NATAL” teve como principais objetivos divulgar o património culinário local e, em concreto, a doçaria tradicional de Natal; preservar a memória dos sabores e aromas, através da transmissão de saberes e fazeres para as gerações mais novas; promover os valores da partilha e da solidariedade com vista à formação de uma consciência social e promover o espírito de equipa e a dinâmica de grupo entre trabalhadores da Câmara Municipal de Lagos.

Mas além disso, e à semelhança do ano anterior, para além do caráter formativo da iniciativa, esta tinha uma vertente marcadamente solidária, tendo sido decidido que parte dos doces confecionados durante esta atividade seriam entregues a instituições de solidariedade social do concelho de Lagos.

Todos os inscritos pagaram 4 euros, que serviram para ajudar na compra dos bens alimentares a utilizar na confeção dos doces. Este ano, para além da autarquia e de alguns trabalhadores que não tendo a oportunidade de participar não quiseram deixar de ajudar com a entrega de alimentos, também alguns supermercados locais responderam positivamente ao repto lançado pelos trabalhadores.

A doceira Eugénia Militão, trabalhadora da autarquia e mentora desta ideia, foi novamente quem teve o papel de ensinar os 34 participantes a confecionar pastéis de batata-doce, coscorões, sonhos e fritos.
O resultado traduziu-se num saudável convívio e numa quantidade apreciável de doces, que foram este ano partilhados com os utentes da Casa de Santo Amaro, do CASLAS, dos Bombeiros Voluntários de Lagos, Igreja Fonte de Vida e Igreja Internacional.

Advertisements

pub

 

Advertisements
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste