EDITORIAL: Neto Gomes; 50 anos de carreira

freis-int2Editorial de Fernando Reis

Conheci o Neto Gomes no início dos anos 60 em Portimão. Era eu estudante no Liceu e ele funcionário das Finanças. Tratava-o respeitosamente por Senhor Neto, quando nos encontrávamos frequentemente na Casa Inglesa, pelos 10 anos de idade que nos separam. Mais tarde, em 1983, quis o destino que nos viessemos a cruzar no Jornal do Algarve. Ele como colaborador que já era e eu acabadinho de iniciar um projecto jornalístico que me trouxe até hoje.

A partir de então e há medida que a nossa amizade se foi cimentando, ele deixou de ser, para mim, o Sr. Neto e passou a ser o amigo incondicional, o companheiro sempre disponível, o colaborador sempre presente, o parceiro de divertidas viagens de lazer, o irmão mais velho.

Orador como há poucos – costumava lembrar-lhe que se vivesse nos EUA estaria milionário – irreverente, tocou muitos “instrumentos” tendo atingido um plano de destaque no futebol, como secretário técnico do Manuel José, ao serviço do Portimonense. Foi “speaker” inigualável da Volta a Portugal em bicicleta, assesssor de imprensa de reconhecida competência e, nos últimos anos, escritor e investigador, tendo editado obras muito interessantes sobre o Algarve e diversas personalidades algarvias.

Tendo nascido e crescido em Vila Real de Santo António e radicado-se em Loulé, onde vive há várias décadas, Neto Gomes, que deixou ainda a sua marca enquanto jornalista na Capital, Mundo Desportivo, A Bola, Record, Gazeta dos Desportos, O Jogo, Primeiro de Janeiro, Jornal de Notícias, Diário de Notícias e RDP, onde foi um brilhante relator de jogos de futebol, vai ser consagrado pelos seus 50 anos de carreira, na próxima sexta-feira, dia 14 de outubro, no Pavilhão do NERA, em Loulé, num merecido jantar de homenagem a que temos a honra de nos associar, pessoalmente e associar, também, o Jornal do Algarve.

Parabéns Neto, tu mereces!

Fernando Reis

 

pub

 

 

 

Tamanho da Fonte
Contraste