Egito: mulher espancada por militares agoniza num hospital

.

Tentou ajudar a “rapariga do sutiã azul” mas acabou por ser também espancada pelos militares – as imagens continuam a correr mundo. A CNN encontrou-a num hospital do Cairo, a tentar lutar pela vida

Durante os protestos do passado fim de semana, no Cairo, uma rapariga foi espancada pelos militares e as imagens acabaram por se tornar públicas . No mesmo vídeo, uma outra mulher tenta ajudá-la e acaba por ser também espancada. A CNN encontrou-a num hospital e exibe as consequências devastadoras da violência exercida pelos militares nos manifestantes egípcios.

“Ela era uma mulher com véu. Eles não paravam de lhe bater e eu tentei protegê-la. Começaram então a bater-nos às duas”, palavras de uma mulher brutalmente ferida, na cama de um hospital. O vídeo foi enviado à televisão norte-americana por um ativista dos Direitos Humanos, com um conjunto de fotografias que mostram as fraturas no crânio e os múltiplos ferimentos espalhados pelo corpo.

De acordo com os médicos, o estado da mulher, de 48 anos, está a piorar e ela terá de ser transferida para a unidade de cuidados intensivos. A equipa da CNN tentou conversar com ela mas sem sucesso, uma vez que está em total agonia no hospital. Da outra mulher que foi espancada pelos militares, ninguém sabe.

O jornal independente “Tahrir” publicou também recentemente uma foto de um militar que segurava uma mulher pelos cabelos enquanto um outro a ameaçava com um bastão. Na sequência das diversas imagens divulgadas, milhares de mulheres egípcias saíram à rua em protesto contra a violência.

Violência “desonra o Estado e não é digna de um grande povo”

O Exército reconheceu ter agredido uma manifestante com véu, arrastando-a sobre a calçada, ao ponto de pôr a descoberto o seu sutiã e a sua barriga e lamentou o sucedido. “O Conselho Supremo das Forças Armadas manifesta às mulheres do Egito profundo pesar pelos maus-tratos que ocorreram durante confrontos recentes em manifestações em frente ao Parlamento e à sede do Governo”, referem os militares em comunicado divulgado no Facebook.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou na segunda-feira que se trata de acontecimentos “particularmente chocantes”, sendo que a forma como as mulheres são tratadas na revolução egípcia “desonra o Estado e não é digna de um grande povo”. A secretária de Estado dos EUA salientou que as mulheres egípcias, depois de se terem manifestado e assumido riscos para conseguir a saída do poder do antigo Presidente Hosni Mubarak, foram excluídas do processo político. A ONU também revelou a sua indignação.

Segundo o Conselho Supremo das Forças Armadas, serão adotadas medidas para que os autores das agressões sejam responsabilizados pelos abusos.

Paula Cosme Pinto (Rede Expresso)

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar

Comentar

Tamanho da Fonte
Contraste