ECONOMIA

Empresas da rota da EN2 podem aceder a linha de crédito

O banco BPI lançou uma linha de crédito de 100 milhões de euros para apoiar empresas da rota da Estrada Nacional 2 (EN2), que liga Faro a Chaves, com o objetivo de “mitigar os efeitos da pandemia”.

Com um protocolo comercial celebrado entre o BPI e a Associação dos Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 (AMREN2), a linha de crédito vai “permitir às empresas da rota EN2, muitas delas pequenos negócios, aceder a financiamento em condições vantajosas”, indicou o administrador da Banca de Empresas e Institucionais do BPI, Pedro Barreto.

As condições comerciais especiais no acesso à linha de crédito, “com um montante global de 100 milhões de euros”, destinam-se à Rede de Agentes da EN2, que inclui estabelecimentos de alojamento, restauração, farmácias, oficinas, empresas de animação turística, agências de viagens, entre outras empresas, “que se encontram ao longo dos 35 concelhos desta rota turística”, que percorre o país de Faro a Chaves.

Recentemente, a associação AMREN2 avançou com a criação da Rede de Agentes da EN2, para promover o produto turístico que representa aquela via rodoviária, pelo que o protocolo com o BPI pretende beneficiar “todas essas empresas e negócios que direta ou indiretamente tenham ligação com a rota da EN2, trazendo benefícios no apoio à atividade, através de um pacote de produtos e serviços financeiros”.

A cerimónia de assinatura do protocolo decorreu na segunda-feira no salão nobre da Câmara Municipal de Viseu, com a presença do administrador da Banca de Empresas e Institucionais do BPI, Pedro Barreto, do presidente da AMREN2, Luís Machado, e do presidente do município de Viseu, António Henriques.

Elogiando o trabalho feito pela associação AMREN2 e manifestando satisfação com o acordo alcançado, o administrador bancário Pedro Barreto disse que “o BPI vai continuar a apoiar os projetos e as empresas do interior e do setor do turismo em geral, com o objetivo de mitigar os efeitos da pandemia e acelerar a retoma da economia”.

Na perspetiva do presidente da AMREN2, Luís Machado, a parceria com o BPI vai apoiar os “esforços de qualificação” da Rede de Agentes da EN2, preparando-os para responder às exigências dos diversos públicos, num contexto de valorização do turismo de experiência, de tradição e inovação, de qualidade e sustentabilidade.

Destacando a importância do financiamento contribuir para fortalecer a atividade económica na rota turística da EN2, Luís Machado defendeu que este “é o maior projeto de coesão territorial em Portugal”.

Em 2019, a associação AMREN2 venceu o Prémio Nacional de Turismo 2019, na categoria de “Projeto Público”.

A par da agricultura, o turismo é um dos setores eleitos pelo BPI como prioritários, pelo que o banco decidiu criar “equipas especializadas e ofertas específicas para estes segmentos”, informou a instituição bancária.

Em comunicado, o BPI adiantou ainda que, anualmente, promove o que melhor se faz nestas áreas de negócio, através do Prémio Nacional do Turismo e do Prémio Nacional da Agricultura, ambos com o alto patrocínio do Ministério da Economia.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste