ALGARVE

EN125: Parlamento aprova resgate da concessão do troço Olhão/VRSA

Olhão, EN125
Olhão, EN125

Foi aprovado na Assembleia da República, no passado dia 22 de julho, o Projeto de Resolução do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, que propõe ao Governo que promova a coesão do Algarve através do resgate da concessão e requalificação dos troços da EN125 compreendidos entre Olhão e Vila Real de Santo António, depois de entregue há mais de um ano, anunciou o Bloco de Esquerda do Algarve.

Além do Bloco de Esquerda, o projeto foi aprovado pelo PS, PSD e PCP, enuncia o Bloco em comunicado de Imprensa, sublinhando que a EN125 é considerada uma verdadeira rua urbana, “mesmo depois de requalificada numa parte, entre Vila do Bispo e Olhão”.

“Pior ainda é o facto de ainda hoje não se saber quando avançarão as obras entre Olhão e Vila Real de Santo António. Toda esta situação, agravada com as erradas portagens na Via do Infante que fazem confluir grande parte do trânsito para uma EN125 que fica deveras congestionada, provocam elevados prejuízos e muito sofrimento para utentes, empresas e populações”, acrescenta o Bloco.
Sublinha que, além dos grandes prejuízos sociais e económicos, a sinistralidade rodoviária tem disparado nas estradas da região, principalmente na EN125, “com muitas vítimas”.

“Nos últimos três anos são mais de 10.000 acidentes de viação no Algarve. Segundo a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária só entre 1 de janeiro e 31 de outubro deste ano já ocorreram no Algarve 9.102 acidentes, com 28 vítimas mortais e 198 feridos graves (igual número de mortos e mais 32 feridos graves em relação ao mesmo período do ano anterior). Todos estes números deviam envergonhar o governo e outros responsáveis políticos”, sustenta o BE Algarve.
Adianta ainda que a sinistralidade rodoviária na EN125 tem sido potenciada no Sotavento/Algarve, precisamente pela falta de requalificação entre Olhão Nascente e Vila Real de Santo António.

“Esta parte da via apenas mereceu uma mera requalificação de emergência, a título provisório, antes do verão de 2018, quando foram tapados os buracos mais visíveis, após os protestos de utentes e populações. Havia troços completamente esburacados, bermas numa situação muito lastimável, o que, além de tornar a circulação automóvel muito perigosa em áreas altamente urbanizadas, implicava um desgaste físico e psicológico acrescido, assim como riscos de avarias para os veículos. Estes remendos provisórios estão a degradar-se rapidamente e o que verdadeiramente importa é a requalificação urgente e definitiva da via”, afirma o comunicado de Imprensa.

“O que se impõe é o governo proceder, com urgência, ao resgate da concessão e à sua requalificação definitiva. O Bloco de Esquerda defende esta posição e que é a alternativa viável neste momento”.

Recorda também que se trata de uma posição também defendida, de forma consensual, por todas as Câmaras do Algarve, incluindo as Câmaras de Olhão, Tavira, Castro Marim e Vila Real de Santo António, (conforme veiculado pela Comunidade Intermunicipal do Algarve/AMAL), pelo Movimento de Cidadania dos Utentes da EN125 – Sotavento e por outras entidades e cidadãos do Algarve.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste