Faltam médicos nas urgências em Faro e Portimão

Em fim de semana prolongado, no qual o aumento do número de pessoas no Algarve sobe significativamente, os hospitais da região – Faro e Portimão – estão sem alguns serviços de urgência e com outros a funcionar a “meio gás” – denuncia o deputado social-democrata Cristóvão Norte, em nota de imprensa.

A título de exemplo, nos dias 1, 2 e 3 de Novembro não há urgência de urologia no Algarve, o mesmo se verificando no sábado a respeito da oftalmologia. Acresce ainda, no que respeita a ortopedia, uma especialidade que é responsável por um elevado número de episódios de urgência, que nos dias 2, 3 e 4 não haverá urgência desta especialidade em Portimão. No caso de Faro, entre sábado ao fim da tarde até segunda de madrugada apenas haverá um médico de serviço, o que é manifestamente insuficiente para dar resposta às necessidades.

Cristóvão Norte, deputado do PSD pelo Algarve, afirma que “ estas situações são cada vez mais a regra e não a excepção no Algarve. Sem fixar médicos não se resolve o problema e os doentes sentem-se desprotegidos e para terem acesso à saúde ou têm dinheiro e vão ou privado ou ficam indefesos.” O parlamentar assinala também que “ é muito compreensível que os doentes vão à urgência, uma consulta demora anos, todos os prazos são ultrapassados e isso equivale a não ter acesso à saúde.”

Os deputados do PSD, Cristóvão Norte, Rui Cristina e Ofélia Ramos, eleitos pelo Algarve, vão questionar o Governo a respeito destas constantes falhas e solicitam, desde já, que a situação crítica que a região enfrenta na saúde seja uma prioridade de intervenção no governo.

2Comentários

  • par expérience personnelle en avril 2019 mon mari a connu les urgences de cet hôpital à 2 reprises où il a vécu les pires moments jamais rencontrés en Belgique : des malades en attente d’un diagnostic parqués dans une immense salle où règne la mixité H/F, une hygiène déplorable et une attente insupportable avant de voir un médecin. Pour mon mari, amaigri de 20kg, perdant du sang dans les selles et l’urine, après un examen soi-disant approfondi, le médecin n’a rien trouvé et l’a renvoyé au domicile sans traitement sauf… boire un Coca Cola. Vu le développement express du tourisme en Algarve et si rien ne change, je pressens une catastrophe et que d’ici peu il y aura des morts. Nous sommes rentrés en Belgique où après 2 jours d’examens médicaux on a diagnostiqué une bactérie alimentaire. L’Algarve est belle, les portugais sont TRES gentils mais la médecine est digne du Moyen-Âge.

  • A denúncia do deputado do PSD em relação à falta de médicos no Algarve, peca apenas por defeito. Não se sabe se por omissão de Cristóvão Norte ou do Barlavento mas mais preocupante será a existência de um único Ortopedista para todo o Algarve durante um fim de semana prolongado. Naturalmente a solução ao contrário do que diz a administração ir-se-á agravando com a atitude da Direcção Clínica e Administração em geral como há muito é noticiado contratando tarefeiros para o serviço de urgência a um mínimo de €50/hora, quase o dobro do legalmente permitido. Esta medida faz-se sobretudo notar na principal unidade da região em Faro, onde os médicos do quadro, fartos deste cenário vão-se recusando cada vez mais a fazer urgência para além do lelamente previsto.
    E colocando em risco a saúde da população, são permitidas escalas de urgência com médicos tarefeiros a efetuarem 48 e 72 horas consecutivas de urgência, a título de exemplo um ortopedista fez num mês de verão 26 dias de urgência (24 horas em presença física por dia), mas é só um dos múltiplos exemplos, é so uma questão de ver as escalas e os vencimentos milionários destes médicos.
    É sabido que esta realidade seria resolvida apenas com os profissionais do Centro Hospitalar, com a poupança de alguns milhões de euros por ano, mas a Direcção da Urgência e a Direcção Clínica com a concordância da tutela recusam discutir as soluções propostas.best

Carregue aqui para comentar

pub

 

 

 

Tamanho da Fonte
Contraste