Freitas apela a um “grande consenso nacional”

.
.

Ao apresentar a biografia de Mário Soares, de Joaquim Vieira, o fundador do CDS exortou à união “de todos os democratas com preocupações sociais”.

“A crise de Chipre pode deitar tudo a perder” na União Europeia, afirmou Freitas do Amaral durante a apresentação da biografia de Mário Soares, da autoria do jornalista Joaquim Vieira.

Extremamente crítico relativamente à actual governação portuguesa, o fundador do CDS apelou a um “grande consenso nacional” entre os dirigentes políticos. “Saibam colaborar de perto quando a Pátria assim o exigir” foi o apelo que deixou. E que concretizou: “Chegou o momento de todos os democratas com preocupações sociais se unirem”.

As críticas do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros estenderam-se à União Europeia. Referiu-se aos “dirigentes incapazes”, verberou as “políticas erradas” e denunciou os “novos nacionalismos”. Criticou em particular os governos europeus que “querem impor a austeridade como única receita”. A este propósito, citou o presidente norte-americano John Kennedy: “Se não formos capazes de apoiar os muitos que são pobres, não saberemos salvar os poucos que são ricos”.

“Não tenhamos medo de agir enquanto é tempo”

O ex-presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas não teve dúvidas em afirmar que “não foi esta a Europa e idealizada por Jean Monnet”. Recordou, a propósito, que o processo de construção europeia foi obra da conjugação dos partidos e governos democratas-cristãos e sociais-democratas, que se defrontaram com os votos contrários “dos conservadores, dos nacionalistas e de alguns liberais, a par dos comunistas e da extrema-esquerda”. Por ironia do destino, quem está actualmente à frente da Europa “são os neo-conservadores, os novos nacionalistas e os neo-liberais.”. Manifestando-se muito preocupado com as consequências das últimas medidas aplicadas em Chipre, Freitas do Amaral exortou: “Não tenhamos medo de agir enquanto é tempo”.

As afirmações de Diogo Freitas do Amaral foram produzidas ao fim da tarde de ontem numa livraria da baixa de Lisboa, onde apresentou o livro “Mário Soares. Uma vida”. Da autoria de Joaquim Vieira, é uma biografia com a chancela da editora “A Esfera dos Livros”. Freitas do Amaral protagonizou a mais renhida das eleições presidenciais de que há memória em Portugal, tendo sido derrotado à segunda volta em 1986. O vencedor foi, precisamente, Mário Soares, a quem Freitas desejou um rápido restabelecimento. “Homens como ele fazem muita falta a Portugal”, concluiu Freitas do Amaral.

José Pedro Castanheira (Rede Expresso)
Advertisements

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar
Advertisements
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste