Greve e concentração de trabalhadores marcadas para hoje

Os trabalhadores das Instituições Particulares de Solidariedade Social, Misericórdias e Cooperativas de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados estão hoje em greve em protesto contra os despedimentos, o congelamento das comparticipações do Estado e dos salários.

A paralisação dos trabalhadores das IPSS, das misericórdias e das CERCI´s é uma luta “contra o estrangulamento financeiro das instituições, os despedimentos, o congelamento das comparticipações do Estado e dos salários e por aumentos salariais”, segundo a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FP).

Contudo, o presidente da União das Misericórdias acredita que a greve não afectará o funcionamento das instituições nem os utentes.

No entender dos sindicatos, “a política de contenção das despesas do Estado com a acção social, ameaça criar um novo e grave problema social, se se concretizar a intenção do Governo de congelar as comparticipações atribuídas anualmente às IPSS, Misericórdias e CERCI’s, já que tal medida inviabilizará o futuro de muitas Instituições, pondo em causa os respectivos postos de trabalho e a prestação dos serviços aos utentes”.

O conjunto das instituições existentes emprega mais de 150 mil pessoas.

Além da greve os trabalhadores têm marcada uma concentração frente ao Ministério do Trabalho a partir das 14:30.

AL/JA

Advertisements
Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste