OPINIÃO

Há MESMO falta de professores no Algarve!!

OPINIÃO | Mª JOÃO SALES

O Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS) sempre denunciou a falta de docentes, que se agudizou nos últimos dois anos, principalmente no distrito de Faro, assim como alertou o Ministério da Educação (ME) para tal facto, fazendo este “orelhas de mercador”.


O SPZS efetuou um questionário junto dos agrupamentos de escolas sobre os horários em falta, ao qual responderam 67% no distrito de Faro. Apesar da falta de resposta de alguns agrupamentos de escolas, os dados são bastante preocupantes. Imaginem se todos tivessem respondido…


A falta de professores atravessa todos os ciclos de ensino, sendo mais relevante no 3º Ciclo e Secundário. No 1º Ciclo faltam 15 professores, incluindo na disciplina de Inglês. No 2.º Ciclo há falta de 16 professores, sendo as disciplinas de Português, Inglês, Matemática, Ciências da Natureza e Educação Musical as mais relevantes. No 3º Ciclo e Secundário há necessidade de 88 professores, principalmente nas disciplinas de Português, Inglês, Alemão, História, Geografia, Matemática, Física e Química, Informática e Artes Visuais. A falta de docentes de Educação Especial também é patente, revelando que muitos alunos com necessidades educativas especiais não estão a receber o devido apoio por parte do sistema de ensino.


Ao analisarmos os dados, podemos concluir que a maior parte dos horários são temporários e incompletos, muitos deles decorrentes de baixas médicas de docentes com mais idade, o que os torna mais difíceis de ocupar. Em certos grupos disciplinares, já não há docentes a concurso. Estes, por um horário de um mês, não se deslocam para muito longe da sua residência, pois torna-se incomportável arrendar uma casa no Algarve (quando a encontram), recebendo um ordenado igual ou inferior ao ordenado mínimo.


Como irão estes professores ser substituídos? Retrocedemos 20 anos e temos pessoas sem habilitações a ensinar os nossos filhos, tal como já acontece na disciplina de Informática?! Vamos aceitar que o ME continue a “empurrar com a barriga” o problema de não haver candidatos para os cursos de formação de docentes?! O SPZS, NÃO!!!


A falta de docentes não é uma mentira nem um embuste, como o ME tenta iludir os portugueses, é um grave problema que o país está a atravessar há muitos anos. O SPZS e a FENPROF sempre apresentaram possíveis soluções para a sua resolução. Mas que resposta dá o ME??? Anuncia a contratação de mais de 3300 docentes, não se sabe para onde. Aqui ainda não chegaram!

Rouba tempo de serviço aos professores e teima em não valorizar a sua carreira, criando obstáculos sempre que pode. Quem quer ser professor?

Não reconhece a necessidade de rejuvenescimento do corpo docente, criando um mecanismo de aposentação injusto e indigno para quem já tem 60 anos de idade…


O SPZS e a FENPROF defendem que a falta de docentes poderá ser combatida através: do reforço de docentes nos quadros das escolas/agrupamentos; da eliminação do recurso à contratação a termo; do reforço do cariz nacional dos concursos e da graduação profissional como critério de ordenação dos candidatos; da redução da área geográfica dos QZP e do acesso à totalidade das vagas abertas, por parte de todos os candidatos aos concursos.


A falta de docentes é um problema grave para a Escola Pública, que defendemos, e que requer soluções sérias!

Maria João Sales

Dirigente Sindical de Faro – SPZS

Tamanho da Fonte
Contraste
Bloggers %d como este: