ALGARVE ÚLTIMAS

Há (muitos) tesouros submersos ainda por encontrar no Arade

A campanha liderada por Cristóvão Fonseca e José Bettencourt tem como objetivo registar e salvaguardar o máximo de património possível, antes das obras de requalificação do porto

Apesar das numerosas campanhas de arqueologia subaquática que se realizaram ao longo das últimas quatro décadas, o rio Arade continua a esconder uma imensidão de histórias e – quem sabe – inimagináveis e valiosos tesouros.

Em quase todas as campanhas foram identificados vestígios importantes ou locais onde ocorreram naufrágios neste rio, que há mais de um milénio já era uma importante via de navegação, comunicação e penetração no interior do barlavento algarvio.

O primeiro registo de naufrágios em Portugal dá conta, precisamente, de um episódio ocorrido no rio Arade, no ano 966. Segundo relatos históricos, uma frota viking de 28 navios que atacava a então chamada Ribeira de Silves foi afundada por galés muçulmanas andaluzes.

Mas o tempo passou e um indício deste naufrágio só foi obtido em 1970, durante a dragagem do porto comercial de Portimão, quando foram descobertos dois navios naufragados na foz do Arade, um dos quais presumivelmente viking por possuir um casco de tabuado trincado.

Desde logo, a atenção dos arqueólogos nacionais e internacionais, mas também de muitos “caçadores de tesouros”, virou-se para este rio, por demonstrar possuir “forte interesse patrimonial e histórico-arqueológico”, carecendo de uma rápida investigação…

(NOTÍCIA COMPLETA NA ÚLTIMA EDIÇÃO DO JORNAL DO ALGARVE – NAS BANCAS A PARTIR DE 7 DE JUNHO)

Nuno Couto|Jornal do Algarve

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: