ECONOMIA

Hotéis esperam que impacto da Fórmula 1 chegue a outros concelhos

A presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) está à espera que o impacto do prémio de Fórmula 1 em Portimão tenha um “efeito de arrasto” em hotéis de outros concelhos da região algarvia.

“A nossa estimativa, de acordo com essas expectativas é que, efetivamente, possa ter um efeito de arrasto, não só no concelho onde ocorre a prova, em Portimão, mas estendendo-se, inclusivamente, aos concelhos limítrofes”, afirmou Cristina Siza Vieira, em declarações à agência Lusa.

O Autódromo Internacional do Algarve (AIA), em Portimão, vai receber o Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, em 25 de outubro.

Apesar de ainda não ter dados concretos fornecidos pelos associados da AHP relativamente às reservas na altura do evento, a responsável lembrou que, só ligadas à organização, a prova de Fórmula 1 leva ao Algarve 10 mil pessoas.

“Já se percebe que tem um impacto numérico também importante e, portanto, temos uma expectativa, efetivamente, que o Algarve venha quase todo a vibrar com este evento”, acrescentou Cristina Siza Vieira.

Apesar de ser a primeira vez que o Algarve recebe uma prova deste género, a presidente da AHP sublinhou que a região já tem recebido eventos de automóveis topo de gama, pelo que a expectativa é de que o impacto seja mais sentido em hotéis de categorias superiores (quatro e cinco estrelas).

“Prova como esta nunca tivemos, mas sabemos que, efetivamente, o cliente de Fórmula 1, até pelo próprio preço dos bilhetes, é um cliente exigente”, apontou.

Relativamente ao aproximar da época baixa para o turismo, Cristina Siza Vieira adiantou que há alguns grupos hoteleiros que já sinalizaram a intenção de fechar algumas unidades, devido à falta de procura.

No entanto, a presidente da AHP espera que a campanha de descontos comparticipados pelo Turismo de Portugal (#TUPODES), à qual a AHP se associou através da plataforma de reservas click2portugal, possa ajudar a dinamizar a hotelaria.

“A nossa expectativa não é de que isto venha mudar o panorama. É que estimule a procura com a reserva direta”, ressalvou.

No final de setembro, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou, durante o encerramento da V Cimeira do Turismo Português, o lançamento de um programa de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes.

A medida visa estimular a procura e ajudar a recuperação de um dos setores mais afetados pela pandemia de covid-19.

Em entrevista à Lusa, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, esclareceu que os descontos que os operadores turísticos aplicarem entre 5 de outubro e 15 de dezembro têm de ser superiores a 30% para que o Turismo de Portugal comparticipe metade.

Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: