DESPORTO FUTEBOL

I Liga: Portimonense perde com o Rio Ave e marca passo na permanência

[mobileonly] [/mobileonly]

O Rio Ave venceu esta quinta-feira o Portimonense, por 2-1, em partida da 31.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol muito condicionada pelo vento e desequilibrada com um golo de Filipe Augusto, já nos descontos.

O médio brasileiro apontou o tento decisivo do jogo, num canto direto, aos 90+1, quebrando a igualdade que vinha da primeira parte, após Ricardo Vaz Tê, aos seis minutos, ter inaugurado o marcador, e Taremi, aos 35, de grande penalidade, ter resgatado o empate.

Com este triunfo, os vila-condenses, que estão na luta por um lugar nas competições europeias, sobem, à condição, ao quinto posto, com 50 pontos, enquanto o Portimonense mantém-se como a primeira equipa em zona de despromoção, seguindo no 17.º, com 27 pontos, a três de Vitória de Setúbal e Tondela.

Essa necessidade de pontuar, para sair dos lugares perigosos, embalou os algarvios para uma entrada de rompante no desafio, num arranque que não poderia ter corrido melhor para os comandados de Paulo Sérgio, pois, logo aos seis minutos, colocaram-se em vantagem, num desvio de cabeça de Ricardo Vaz Tê, na sequência de um canto.

Com a madrugadora desvantagem, e a jogar contra o característico vento do estádio dos Arcos, o Rio Ave sentiu dificuldades em responder à inicial contrariedade e, perante um forte bloco defensivo montado pelo adversário, o melhor que conseguiu foi um remate de Gelson Dala, aos 13, por cima.

Os vila-condenses, embora com mais posse de bola, só voltaram a criar perigo depois de meia-hora, num lance de insistência, que culminou com um golo de Gelson Dala, mas que foi anulado por fora de jogo.

No entanto, na revisão do lance, e com recurso às imagens do VAR, foi descortinado um desvio com a mão de Jadson, sancionado com grande penalidade, que Taremi, melhor marcador dos nortenhos, não desperdiçou, apontando, aos 35 minutos, o seu 17.º golo da época.

Os forasteiros não se conformaram com a igualdade e ainda antes do intervalo tiveram duas soberanas oportunidades para recuperar a vantagem, primeiro num cabaceamento de Vaz Tê, por cima, e, depois, num tiro de Rómulo, que o central Santos salvou em cima da linha de golo, impondo o 1-1 no tempo de descanso.

No reatamento, e a jogar agora com o vento pelas costas, o Rio Ave recuperou o controlo dos acontecimentos, jogando mais na área adversária, mas com carências na definição final das suas investidas ofensivas.

O recém-entrado Carlos Mané, aos 66, ainda tentou contrariar essa pecha da formação da foz do Ave, rematando de longe, mas ao lado, perante um Portimonense que ia abdicando dos contra-ataques e concentrando as suas atenções em defender.

Já na parte final do encontro, o Rio Ave apostou na bolas paradas para tentar fazer a diferença, primeiro com Lucas Piazon, a tentar um canto direto, que o guardião do Portimonense ‘sacudiu’, e aos 90+1, com Filipe Augusto a repetir o método, mas desta feita com êxito, aproveitando o vento para arrancar o 2-1 final.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: