Mais tráfego nas estradas e menos uso de transportes coletivos no Algarve

O Barómetro Algarve Conjuntura – Mobilidade e Transportes, relativo ao segundo trimestre de 2018, revela aumentos generalizados nos tráfegos rodoviários e uma diminuição do movimento de passageiros extensiva à esmagadora maioria dos serviços dos transportes coletivos.

O tráfego rodoviário nos principais eixos regionais regista ligeiros acréscimos (1,1% na A2 e 1,3% na A22) e aumentos um pouco mais significativos em 10 dos 13 postos de contagem instalados nos eixos secundários.

Em sentido inverso, observaram-se quedas no movimento de passageiros no sistema ferroviário (Serviço Regional e Longo Curso), nas carreiras fluviais e marítimas, nas carreiras do transporte coletivo rodoviário urbano e, também, no Aeroporto Internacional de Faro, com exceção do movimento de passageiros com origem e destino nos aeroportos nacionais, que regista um aumento de 13,3%.

Aeroporto de Faro

.

O Aeroporto Internacional de Faro registou um total de 18.300 voos e de 2.818.777 passageiros (movimento comercial). Comparando com o trimestre homólogo anterior, destaca-se uma diminuição de 1,9% quanto ao número de voos e uma diminuição de 1,4% para o total de passageiros movimentados. Esta diminuição do número de passageiros constitui a segunda variação trimestral homóloga negativa consecutiva, o que ocorre após 10 trimestres de variações homólogas positivas (entre o 3º trimestre de 2015 e o último de 2017).

Neste trimestre, o aeroporto movimentou um total de 126.991 passageiros com os restantes aeroportos do espaço nacional, valor que corresponde a 4,5 % do total do movimento de passageiros no trimestre. Comparativamente com o trimestre homólogo do ano anterior, destaca-se o significativo aumento de 13,3% do movimento com os aeroportos nacionais.

Serviço ferroviário regional

.

O serviço regional do modo ferroviário (Lagos – Vila Real de Santo António) movimentou um total de 479.202 passageiros, o que representa um decréscimo de 3,5% relativamente ao trimestre homólogo anterior. O serviço de Longo Curso (ligações dos serviços Alfa e Intercidades) movimentou um total de 220.822 passageiros, valor inferior em 2,7% ao valor do trimestre homólogo anterior. Os valores para ambos os movimentos de passageiros são inferiores aos valores homólogos (de 2017), significando que, assim, o serviço regional vê interrompida uma série de 9 trimestres consecutivos de variações positivas, e o Longo Curso vê interrompida uma série de 19 trimestres consecutivos de variações positivas.

Carreiras fluviais e marítimas

.

No modo fluvial/marítimo, registou-se um movimento de 320.821 passageiros nas carreiras da Ria Formosa – o que corresponde a um decréscimo de 30,1% relativamente ao trimestre homólogo anterior –, e um movimento de 30.637 passageiros na carreira do Guadiana (Vila Real de Santo António / Ayamonte) – correspondendo a um decréscimo de 2,0% relativamente ao trimestre homólogo anterior – que volta neste trimestre às variações trimestrais homólogas positivas.

Tráfego nas estradas

Quanto ao tráfego médio diário (TMD) nos eixos rodoviários principais destaca-se, relativamente ao trimestre homólogo anterior: um aumento de 1,1% do TMD no troço da A2 “Almodôvar / S.B. Messines” (10.706 veículos/dia); um aumento de 1,3% do TMD na A22 (13.897 veículos/dia); e um aumento de 20,9% do TMD na Ponte Internacional do Guadiana (9.355 veículos/dia). Para os tráfegos na A2 e na A22 trata-se da 20.ª variação trimestral homóloga positiva consecutiva (desde o terceiro trimestre de 2013), enquanto para o tráfego na Ponte Internacional do Guadiana é já a 16.ª consecutiva (desde o terceiro trimestre de 2014).

 

Os valores para os TMD nos eixos rodoviários secundários evidenciam, de novo, os aumentos em grande parte dos postos de contagem. Com excepção dos postos do IC1 (SB Messines / Tunes), da EN125 (Tavira / Olhão – acesso à A22) e da ER270 (SB Alportel – SC da Fonte do Bispo), com variações de -2,0, -6,9 e -16,3%, respetivamente, todos os restantes 10 postos registaram variações trimestrais homólogas positivas, destacando-se fundamentalmente o aumento do movimento nos postos colocados nas variantes e acessos a Faro (com valores que variam entre os 7,4 e os 14,4%).

Transporte coletivo rodoviário

No que respeita ao movimento de passageiros no transporte coletivo rodoviário, destacam-se sobretudo os aumentos de 7,9% no movimento das ligações inter-regionais (223.456 passageiros) e de 5,2% no movimento das ligações interurbanas (1.555.439 passageiros).

.

No caso das ligações inter-regionais, trata-se de um aumento expressivo e constitui a sétima variação trimestral homóloga positiva consecutiva. Quanto às ligações interurbanas, o aumento de 5,2% poderá não parecer particularmente significativo, mas constitui, ainda assim, a terceira maior variação trimestral homóloga positiva nos últimos 10 anos.

O movimento nas ligações urbanas regista um ligeiro decréscimo de 0,1% (1.264.109 passageiros), sendo já a terceira variação trimestral homóloga negativa consecutiva, e o pouco expressivo movimento nas ligações internacionais decresce 13,1% (5.592 passageiros).

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste