Manifestação de 5 de Outubro de 2019 – Dia Mundial do Professor

Professores unidos pelas luta saíram à rua em comemoração, no dia 5 de outubro, dia Mundial do Professor, e levaram em mãos as reivindicações que continuam a constar nas suas bandeiras de protesto.

No dia 5 de outubro, cerca de 15 mil professores reuniram-se no largo da rotunda do Marquês de Pombal. Fizeram-se acompanhar por bandeiras, faixas e placares com palavras de ordem, todas elas relacionadas com as reivindicações e reforçadas pela força das bandeiras dos respetivos sindicatos. Houve a novidade das bandeiras que atribuem diferentes cores a cada uma das reivindicações e às várias expressões que ordenam: recuperação integral do tempo de serviço; defesa do ECD; aposentação justa e rejuvenescimento da profissão; horários de trabalho legais; concursos justos; contra a precariedade; contra a municipalização da educação; por uma gestão democrática das escolas; menos alunos por turma; uma educação verdadeiramente inclusiva .

Caminhando para o Largo do Rossio e estendendo a longa e larga fila de professores pela Avenida da Liberdade, seguiu-se o ritmo marcado por alunos, que iam percutindo nos seus bombos. Por entre a soada da arrufada, também se conseguiu fazer ouvir palavras de ordem ditas pelos presentes, pois, esta comemoração do Dia Mundial do Professor é também um momento de luta e de reivindicação. Por esta razão: Rejuvenescer a profissão/Futuro para a Educação; Burocracia não/Tempo para a profissão; Professores valorizados/E por todos respeitados; O tempo é p’ra contar, TODO!; Aposentação/muito antes do caixão; Estabilidade, sim!/Precariedade, não!; Horas semanais: 35 e não mais!; Horários carregados/Professores esgotados; Municipalização/Não é solução; foram repetidas vezes sem conta, relembrando “o que não é para esquecer”, enquanto os nossos governantes continuarem a não querer dialogar, negociar e melhorar (tanto na educação, como nas condições do exercício da profissão docente).

Já no Largo do Rossio, houve espaço para atuações musicais de alunos e as reivindicações também tiveram lugar nas saudações isentas de propaganda eleitoral, assim como na apresentação de uma moção que foi votada e aprovada por unanimidade e aclamação. Para finalizar, ouviu-se o hino nacional, A Portuguesa, momento em que se estendeu esta comemoração a outra histórica, também celebrada nesse dia, a implantação da República.

É deste modo que, mais uma vez, os professores dão azo à sua luta e, comemorando entusiasticamente, relembraram à sociedade e aos governantes tudo o que consideram ser imprescindível para que a profissão docente seja dignificada e respeitada, assim como, para que toda a educação em Portugal (ensino público e particular) seja melhorado e valorizado.

Emmanuel da Luz

Professor e Dirigente Sindical do Sindicato dos Professores da Zona Sul

pub

 

 

 

Tamanho da Fonte
Contraste