Monchique: Cartão dá acesso a dados dos idosos em situações de emergência

A medicação habitual, o registo de parâmetros vitais, a data das últimas vacinas, o historial de alergias e até a morada da residência, são algumas das informações que constam do “Passaporte de Saúde”. O objetivo deste projeto inovador, apresentado sexta-feira, em Monchique, é que os profissionais de saúde tenham acesso imediato aos dados dos utentes mais idosos em situações de perigo. A ideia nasceu logo após a “confusão” provocada pelo incêndio do verão passado

Monchique é dos concelhos com menos população do Algarve e um dos mais envelhecidos, apenas ultrapassado por Alcoutim. Tem cerca de seis mil habitantes, a maioria idosos, porque os jovens procuram outra vida e outras oportunidades nas cidades do litoral.

Depois do incêndio do verão de 2018, a desilusão e o desânimo abateram-se ainda mais sobre a população. Mas, lentamente, a esperança começa a renascer. Na passada sexta-feira, foi apresentado em Monchique um projeto pioneiro a nível nacional – “Tenha sempre à mão o seu Passaporte de Saúde” –, criado pela unidade de cuidados na comunidade local (Mons Cicus), em parceria com a Câmara Municipal de Monchique.

Trata-se de um “passaporte” – do tamanho de um pequeno cartão – que reúne um conjunto de informações clínicas e parâmetros vitais, como a data da administração da última vacina do tétano, o historial de alergias, a medicação habitual e, ainda, algumas recomendações sobre saúde, alimentação e bem-estar físico. Mas não só…!

“O objetivo é que os utentes, sobretudo os mais idosos, passem a trazer o Passaporte de Saúde sempre consigo para que, em situações de perigo, no caso de se perderem ou se desorientarem, os profissionais de saúde tenham rapidamente acesso aos seus dados básicos de saúde, bem como à informação da sua morada e à sua rede familiar, e, desta forma, facilitar o apoio às pessoas, por parte das equipas de saúde, em situações de catástrofe ou de incêndios como o que no ano passado assolou o concelho de Monchique”, revelou a enfermeira Patrícia Carneiro, coordenadora da UCC Mons Cicus e impulsionadora do projeto, durante a sessão de apresentação realizada em Monchique.

Lições do incêndio de agosto de 2018

A ideia de criação deste projeto “surgiu há um ano”, quando os profissionais de saúde que prestavam apoio às vítimas do incêndio de Monchique…

Leia a notícia completa na edição em papel.

pub

 

 

 

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste