Nicolas Sarkozy traído por conselheiro

Assessor gravou conversas privadas de Sarkozy
Assessor gravou conversas privadas de Sarkozy

Linguagem crua, observações maldosas sobre ministros e outras personalidades, conversas privadas, crises de nervos, intrigas e manobras de bastidores. Patrick Buisson, conselheiro especial do ex-Presidente Nicolas Sarkozy (2007/2012), gravou tudo às escondidas no Palácio do Eliseu e noutros locais.

A dimensão deste escândalo até provoca vertigens. São centenas de horas de gravações, efetuadas durante cerca de cinco anos sem que Sarkozy o suspeitasse, que começam agora a ser divulgadas em França.

“Um escândalo, uma traição”, exclamam esta manhã várias das personalidades cujos nomes são citados nos registos sonoros.

Carla Bruni: “Vives à minha custa!”

Numa das conversas gravadas de forma manhosa pelo ex-conselheiro que esteve ligado à extrema-direita no inicio da sua carreira política, até se ouve Carla Bruni e Nicolas Sarkozy a conversarem de forma relaxada da sua relação amorosa, do dinheiro que ganham, das suas casas e da renda que Carla paga por uma delas.

“Vives à minha custa!”, diz a rir Carla ao marido, depois de se queixar por não poder assinar contratos para ganhar dinheiro no show business devido ao seu estatuto de primeira-dama.

A transcrição de uma das gravações é publicada hoje pelo semanário “Le Canard Enchainé ” e o site Atlântico colocou esta manhã em linha algumas delas, onde se ouvem discussões sobre uma eventual mudança de primeiro-ministro, bem como críticas e, até, anedotas jocosas sobre alguns ministros.

O advogado de Patrick Buisson confirmou esta manhã a veracidade das gravações que eram, segundo ele, “simples registos de trabalho” destinados a serem posteriormente destruídos. No entanto, o antigo conselheiro mais influente de Sarkozy tinha veementemente desmentido a sua existência antes das provas terem sido tornadas públicas.

Os registos teriam sido efetuados por Buisson com telefones ou gravadores e desconhece-se por agora como alguém lhos conseguiu roubar.

Até ao momento, não foram divulgadas gravações sobre assuntos delicados ou sensíveis provavelmente bem mais graves do que os conhecidos desde esta manhã. Mas diz-se em Paris que o antigo amigo de Sarkozy até terá gravado conversas telefónicas que o então Presidente teve na sua presença com personalidades francesas e estrangeiras.

RE

pub