ctt monchique
CTT de Monchique
ALGARVE

Operação de distribuição dos CTT de Monchique foi transferida para Portimão

As operações de distribuição de correio postal dos CTT de Monchique foram transferidas para Portimão, o que poderá causar em “breve prazo, o encerramento da loja existente que conta com uma funcionária”, revela o Partido Socialista (PS) de Monchique. 

Para tentar reverter a situação, que terá “consideráveis implicações negativas”, o PS de Monchique enviou uma moção à Câmara Municipal, apresentada e aprovada a 19 de janeiro em sessão ordinária, “pela defesa dos serviços públicos dos CTT” no concelho. 

O partido considera que “a estratégia adotada provoca atrasos no correio normal, incremento de extravios, aumento dos tempos de espera, perda de trabalhadores, descaracterização da imagem e valor da marca CTT, sem ter em atenção que os serviços prestados são essenciais para todos, em particular para a população mais vulnerável, nomeadamente os idosos”, segundo o comunicado. 

Esta decisão vai afetar a distribuição regular dentro dos prazos, uma vez que está previsto que essa tarefa seja feita em parte da vila de Monchique por apenas um carteiro, “que trará a correspondência de Portimão, sendo o restante território assegurado por empresa externa”. 

Outra das consequências que esta transferência causará, segundo o PS/Monchique, será o aumento de devoluções e extravios e ainda os impactos negativos na vida familiar de três carteiros residentes no concelho do interior algarvio. 

O PS/Monchique considera ainda que desde a empresa foi privatizada, os CTT “têm procurado reduzir significativamente a sua responsabilidade do cumprimento do serviço público a que estão vinculados, com o consecutivo encerramento de lojas e a diminuição dos recursos humanos”. 

Como alternativa, o partido refere que a empresa tem “protocolado com juntas de freguesia diversos serviços, concessionado alguns giros a empresas privadas e, inclusivamente, colocado fim à distribuição diária de correio”. 

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste