Paulo Sá realizou mais de 300 iniciativas parlamentares em menos de três anos

Paulo Sá (PCP)

.

O Grupo Parlamentar do PCP fez esta semana o balanço da atividade de Paulo Sá, o único deputado do PCP eleito pelo Algarve, referente à região algarvia e desenvolvida na Assembleia da República no período compreendido entre outubro de 2015 e julho de 2018

Neste período, delegações do PCP que integraram o deputado eleito pelo Algarve “realizaram 266 visitas, reuniões e contactos na região algarvia”, tendo o Grupo Parlamentar do PCP, com base nessas iniciativas, apresentado “30 projetos de resolução na Assembleia da República” e dirigido “301 perguntas e requerimentos ao Governo”.

Nas sessões plenárias da Assembleia da República, assim como nas comissões parlamentares, o PCP “interveio em defesa da região, através do seu deputado eleito pelo Algarve, o qual participou ainda em vários debates regionais”.

“Esta foi uma intensa e diversificada atividade, profundamente ligada aos trabalhadores e às populações da região algarvia, assente no permanente contacto com a realidade regional”, consideram os comunistas.

As 266 visitas, reuniões e contactos tiveram lugar “em todos os concelhos da região algarvia” e abarcaram várias áreas, desde os direitos dos trabalhadores à segurança das populações, passando pela saúde, educação e ciência, proteção social, cultura e desporto, agricultura e pescas, comércio e serviços, transportes e telecomunicações, ambiente, justiça e poder local, permitindo “identificar os problemas que afligem a região e apresentar propostas para a sua solução”.

Por proposta do PCP foram aprovadas, total ou parcialmente, 25 resoluções da Assembleia da República.

O PCP apresentou ainda na Assembleia da República outros projetos de resolução que foram rejeitados, entre os quais, a abolição das portagens na Via do Infante, a reversão das parcerias público-privadas da Via do Infante e da EN 125, o fim das demolições nos núcleos populacionais das ilhas-barreira da Ria Formosa, a reversão do processo de fusão dos hospitais algarvios num único centro hospitalar e a construção de um matadouro público regional no Algarve.

O PCP refere que, no plano regional, desde outubro de 2015, “foram concretizados alguns avanços” que “sendo positivos, são limitados e insuficientes, correspondendo apenas parcialmente aos objetivos de luta do PCP”.

Entre estes, os comunistas destacam o aumento de utentes com médico de família, a compra de equipamentos para o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, a reabertura de extensões de saúde no interior serrano algarvio e a integração do Centro de Medicina Física e de Reabilitação do Sul no Serviço Nacional de Saúde, a redução de 15% nas portagens da Via do Infante, a conclusão das obras de requalificação da EN 125 entre Olhão e Vila do Bispo, a requalificação de postos da GNR, a concretização de algumas obras nos portos de pesca da região, entre outros.

“A atividade desenvolvida na Assembleia da República resulta dos esforços conjugados e convergentes de muitos militantes comunistas que, na Direção da Organização Regional, nas comissões concelhias, nas organizações de base e no grupo parlamentar, nela intervieram”, sublinha o PCP.

Advertisements
Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste