Plano de reestruturação não existe, diz presidente da RTP

.

Alberto da Ponte, presidente do conselho de administração da RTP, disse ao Expresso que o que existe é “uma intenção” de um plano de reestruturação.

O plano de reestruturação da RTP “ainda não existe” e só quando estiver definido é que será apresentado às estruturas que representam os trabalhadores para discussão, disse hoje ao Expresso Alberto da Ponte, presidente do conselho de administração.

“O que há é uma intenção de um plano de reestruturação”, frisou. Alberto da Ponte adiantou que o Centro de Produção Norte não será extinto, desmentido assim notícias de hoje que davam conta do despedimento da totalidade dos funcionários do centro.

O “Diário Económico”, por exemplo, escrevia que iam ser despedidos 620 funcionários, dos quais 323 do Porto, o que significava que já teria de existir um plano. Quanto ao número de despedimentos no Porto, é “uma impossibilidade técnica já que implicaria fechar o centro de produção do norte”, como referiu Alberto da Ponte.

Privilegiar o diálogo

“Não há decisões tomadas, ainda nada está fechado. Vamos priveligiar o diálogo com as estruturas que representam os funcionários”, sublinhou Alberto da Ponte.

O presidente do Conselho de Administração adiantou que não há intenções de ‘rasgar’ o acordo da empresa com os trabalhadores. “Tudo o que faremos será negociado e preferimos que as rescisões sejam amigáveis.”

Tal como o Expresso noticiou ontem, a tutela disponibilizou uma verba de 42 milhões de euros para a reestruturação da RTP. Alberto da Ponte diz que esta verba não será só para rescisões.

A Comissão de Trabalhadores, que se reúne hoje à tarde, e os sindicatos vão apresentar questões à administração sobre a “reestruturação dolorosa” anunciada ontem pelo ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentare, Miguel Relvas, em entrevista à RTP.

As duas estruturas queixam-se de ainda não terem sido informadas de um plano de reestruturação para a empresa.

A haver plano, este “parte de uma base ilegal porque a administração teve reunões com a comissão de trabalhadores e sempre negou a existência”, disse ao Expresso Paulo Mendes, delegado sindical mandato para falar pelas 11 estruturas sindicais que representam os funcionários.

Carolina Reis (Rede Expresso)
Advertisements

pub

 

Advertisements
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste