ATUALIDADE INTERNET PAÍS

Portal de dados mostra em tempo real quantas pessoas morrem por dia em Portugal

.
.

O novo sistema eletrónico com dados sobre a mortalidade em Portugal, atualizados até ao dia corrente, entrou em funcionamento esta quinta-feira e pode ser consultado através do site da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Chamado eVM – Vigilância de Mortalidade, o sistema disponibiliza dados em tempo real, com base no novo registo de certificados de óbito – Sistema de Informação dos Certificados de Óbito (SICO). O portal permite ver, por dia, o número de mortes e algumas das respetivas causas, separando o que são causas “naturais” das “externas”, nas quais estão incluídos os acidentes de trânsito ou de trabalho, homicídios e suicídios.

Olhando para os dados ao longo dos últimos meses, e desde o início deste ano, conclui-se que foi no dia 3 de janeiro que se registou o pico no número de mortes em Portugal. Morreram 411 pessoas e a maior parte (92%) deu-se por causas naturais. Do total de mortes nesse dia, 6% estão ainda sujeitas a investigação e 2% (ou seja, oito mortes) deveram-se a causas externas – um acidente de trabalho, dois outros acidentes não identificados, quatro suicídios e uma por motivo desconhecido.

O portal disponibiliza os dados por dia, semana ou mês, mas sem acumular os totais ao longo dos meses. Somando os totais desde janeiro de 2014 até esta quinta-feira, conclui-se que morreram 77.937 pessoas – em média, são 284 mortes por dia. O site mostra ainda os dados relativos ao número de mortes de bebés com menos de 28 dias.

Sistema “inovador”

O novo sistema foi apresentado esta quinta-feira no Congresso Nacional de Saúde Pública, que decorreu em Lisboa. Segundo o diretor-geral da Saúde, Francisco George, este sistema é “inovador” mesmo a nível mundial.

Cátia Sousa Pinto, da divisão de epidemiologia e vigilância da DGS, explicou à Lusa que este sistema real possibilita agir de forma quase imediata no caso de ser necessário um inquérito epidemiológico.

O sistema permite às autoridades “iniciar uma intervenção rápida” caso venha a ser necessário, como em situações como ondas de calor ou outros fenómenos climáticos extremos, na vigilância da gripe ou caso surjam mortes por doenças incomuns.

“Permite-nos em tempo real ver o impacto das épocas gripais na mortalidade, por exemplo. E permite-nos perceber se está a morrer-se mais ou menos em Portugal”, indicou a especialista em saúde pública.

 

link: https://servicos.min-saude.pt/sico/faces/estatisticas.jsp

 

RE

Edição Semanal




PORTIMONENSE E-SPORTS APRESENTA EQUIPA DE F1 (VIDEO) E PROJETA NOVAS PLATAFORMAS NO CLUBE

Tamanho da Fonte
Contraste