Portugal não é só Lisboa e Porto: Algarve reclama combustíveis

A “crise energética” está a agravar-se a cada minuto que passa na região algarvia, devido à greve ao transporte de matérias perigosas que tem provocado uma autêntica corrida aos combustíveis ao longo dos últimos dias, uma situação que já é considerada “crítica” e “preocupante” para todo o Algarve neste período da Páscoa.

A situação está a preocupar os empresários da hotelaria e do turismo, já que muitos serviços podem ser afetados pela falta de combustível numa das épocas de maior afluência turística no Algarve.

Para piorar a situação, os responsáveis do sindicato de motoristas denunciaram, ontem à noite, após uma reunião com o ministro do Planeamento e Habitação, que os serviços mínimos apenas assegurariam o abastecimento de Lisboa e Porto, tendo, inclusivamente, um destacado responsável sindical produzido declarações em que antevê graves dificuldades para o Algarve durante o período da greve.

Para o PSD Algarve, esta situação – de a região ficar sem abastecimento de combustíveis na Páscoa – “é tragédia antecipada e injustiça clamorosa”.

“É absurdo que aqueles que não têm alternativas de transporte público, têm menos recursos e maiores entraves de mobilidade, paguem o preço de uma decisão do Governo que mais uma vez só atende ao mapa eleitoral”, lê-se num comunicado da distrital do PSD.

Os deputados Cristóvão Norte e José Carlos Barros exigem “garantias que o aeroporto, os serviços de proteção civil e os cidadãos sejam protegidos, nas mesmas condições que Lisboa e Porto, ainda mais no período de Páscoa, em que o Algarve duplica a sua população, tal pode representar tremendos prejuízos”.

A greve dos motoristas de matérias perigosas começou à meia-noite de segunda-feira, convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Neste momento, a maioria dos postos de combustível entre Aljezur e Tavira já estão fechados.

O sindicato já deixou entender que “o estado crítico irá aumentar”, mesmo depois de o Governo ter avançado com a requisição civil, definindo que até quinta-feira os trabalhadores a requisitar devem corresponder “aos que se disponibilizem para assegurar funções em serviços mínimos e, na sua ausência ou insuficiência, os que constem da escala de serviço”.

Advertisements
Tags

pub

 

Advertisements
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste