PSD
David Santos, presidente do PSD Algarve
POLÍTICA

PSD Algarve acredita na inocência de Conceição Cabrita

A detenção da presidente da Câmara de Vila Real de Santo António foi uma “surpresa”, disse hoje o presidente da comissão política do Algarve do PSD, afirmando acreditar na sua inocência.

David Santos preside à estrutura regional do PSD, no distrito de Faro, ao qual o concelho de Vila Real de Santo António pertence, e considerou que o caso – que já levou a presidente da Câmara, Conceição Cabrita, a apresentar hoje a demissão com efeitos imediatos – não vai ter reflexos nas ambições autárquicas do partido, porque já estava escolhido outro candidato à autarquia, numa referência ao antigo presidente do município Luís Gomes.

“Eu acho que foi uma surpresa para todos e continuamos a acreditar que não haverá nada de complicado com a nossa presidente. Nós conhecemo-la bem, é uma pessoa trabalhadora, humilde, honesta, e nada aponta para que alguma coisa destas pudesse acontecer, portanto, agora, aguardamos com calma que a justiça faça o seu caminho e continuamos a acreditar que ela não terá nada a ver com este processo”, reagiu o presidente do PSD do Algarve.

O representante acrescentou que esta é a sua “convicção em função do passado” que Conceição Cabrita “tem no partido”, depois de 12 anos como vereadora e vice-presidente de Luís Gomes, e mais de três na presidência da autarquia.

“Quanto ao futuro, como se sabe ela não vai ser recandidata, já tinha dito que não se recandidatava porque estava muito cansada e é um trabalho desgastante. Disse-nos que não iria ser recandidata e, a partir daí, temos um candidato [Luís Gomes] no terreno e as coisas caminharão como têm de caminhar”, referiu.

O partido, disse, “tem uma tradição grande em Vila Real de Santo António e também no Algarve”, e vai “continuar na pré-campanha e posteriormente na campanha” com o plano que tinha delineado, ao lado do candidato.

“Entendemos que não afetará nada do que temos pensado fazer na campanha no Algarve. Acho que o povo tem dado grandes demonstrações de maturidade e de saber distinguir exatamente os atos eleitorais. O mais recente em que pudemos distinguir isso claramente foi nas últimas legislativas, por exemplo, no concelho de Castro Marim, onde o PS ganhou as eleições de forma folgada e, uma semana depois, o candidato do PSD, numas eleições intercalares autárquicas, também ganhou as eleições folgadas”, argumentou.

David Santos acrescentou que o “povo sabe muito bem distinguir as coisas” e disse “não ter dúvidas de que saberá também, desta vez, fazê-lo” nas autárquicas deste ano.

“Como disse, penso que toda a gente ficou surpresa, é uma pessoa que não nos passava pela cabeça que pudesse estar envolvida num processo destes e acreditamos que poderá ser um mal-entendido que se resolverá a seu tempo”, reiterou o presidente do PSD do Algarve.

Questionado sobre o alegado envolvimento e detenção de um funcionário da Câmara pertencente também aos órgãos do partido a nível local e regional, David Santos escusou-se a comentar, justificando que, “enquanto não souber a identificação das pessoas, não gostaria de especular”.

David Santos falou à agência Lusa pouco antes de a Câmara de Vila Real de Santo António ter anunciado a demissão “com efeitos imediatos” da presidente da Câmara, que aguarda pela decisão do tribunal para conhecer as eventuais medidas de coação a que ficará sujeita, como as restantes três pessoas que foram detidas na terça-feira.

Em causa estão suspeitas de corrupção, recebimento indevido de vantagem e abuso de poder na intermediação de um negócio imobiliário em Monte Gordo, revelou a Polícia Judiciária no comunicado em que anunciou as quatro detenções.

“No decurso desta operação, denominada Operação Triângulo, foram detidas quatro pessoas, uma delas titular de cargo político”, referiu na ocasião a PJ, precisando que entre os detidos estavam também “um trabalhador da Administração Pública e dois empresários”.

Os arguidos detidos estão no Tribunal de Instrução Criminal de Évora, onde foram sujeitos a primeiro interrogatório judicial, e aguardam para conhecer as eventuais medidas de coação a que ficam sujeitos.

PSD local lamenta o sucedido e elogia ato de renúncia

O Partido Social Democrata de Vila Real de Santo António lamenta, em comunicado, “os recentes acontecimentos que tiveram por palco o nosso Município” e que conduziram à detenção e posterior renúncia da sua militante Conceição Cabrita ao cargo de presidente da Autarquia, cargo para que foi eleita nas listas do Partido, “desejando que possa provar o mais rapidamente a sua inocência dos crimes que eventualmente lhe possam vir a ser imputados” e elogiam o seu ato de renúncia que, segundo o partido, demonstra “a sua total disponibilidade em colaborar com a justiça em todo o processo”.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste