Realizador algarvio faz sucesso com filmes de baixo orçamento

Sem apoios nem subsídios. É assim que Hernâni Duarte Maria mantém há mais de uma década uma pequena produtora de cinema independente. Com 19 curtas-metragens já produzidas e a primeira longa-metragem em preparação, este projeto de cinema algarvio, denominado Paradoxon Produções, tem como principal objetivo “fazer filmes numa região onde a produção cinematográfica é praticamente inexistente”. Este “cinema guerrilheiro” – produzido de forma independente e que sobrevive não se sabe bem como – tem vindo a ganhar visibilidade e a conquistar prémios em vários festivais em Portugal e no estrangeiro. É sobre estes “projetos suicidas” do cinema algarvio que falámos com Hernâni Duarte Maria, lacobrigense de 38 anos, realizador e fundador da Paradoxon.

Nuno Couto | ncouto@jornaldoalgarve.pt



Jornal do Algarve – Como é que nasceu a sua paixão pelo cinema?

Hernâni Duarte Maria – Desde muito cedo. Recordo-me que apreciava muito o cinema de Chaplin e Buster Keaton. Vi todos os filmes destes cineastas. Foram muitas horas a ver televisão e cinema, incluindo todos os clássicos dos anos 30, 40 e 50. Depois, a paixão pelo cinema foi-se desenvolvendo ao longo dos anos. Lia todos os livros que falassem sobre cinema: técnicas, planos, cineastas, atores, estilos de cinema e a sua evolução, a história do cinema… tudo! Lembro-me de ir de propósito à cinemateca portuguesa procurar artigos e livros sobre o cineasta David Lynch.

J.A. – E ainda jovem decide criar uma pequena produtora em Lagos, a Paradoxon, que já tem 13 anos de vida. Que balaço faz desta atividade?

H.D.M. – A Paradoxon Produções, desde o seu início, que remonta a 1997, foi um coletivo de amigos que tinham o mesmo gosto pelo cinema. A base da produtora fui eu que a concebi, entrando mais tarde o Pedro Noel da Luz, que se manteve até 2009, e a Joana Oliveira, que é o meu braço direito, a voz da minha consciência, uma pessoa mais de pés e cabeça no chão, o que não acontece comigo, pois sou extremamente crítico em diversos aspetos que dizem respeito ao cinema.

O balanço é positivo, pois ao fim destes anos todos de cinema independente estamos a conseguir ter alguma visibilidade, também pelo prémio que obtivemos no Festival Internacional de Cinema Arouca 2008, com a curta “Insónia”, e, depois, devido à exposição que tivemos através do programa Fotograma da RTPN. Mais recentemente, também tem sido muito divulgada a curta-metragem “Manhã Triste”, a adaptação que fiz de um conto de Urbano Tavares Rodrigues, que muito agradeço e é um amigo para a vida! Tudo isto foi um trabalho que exigiu muita persistência e pesquisa.

J.A. – O que diria dos 19 filmes “a sério” da produtora, desde o “Dissimulados” (2000) até ao “Manhã Triste” (2009)?

H.D.M. – Um realizador procura sempre melhorar as suas histórias, o conteúdo dos seus filmes. Acho que tenho filmes bem conseguidos e outros que ficaram aquém das expectativas, mas isso deveu-se exclusivamente ao meu ponto de vista como realizador.

J.A. – O próximo projeto é uma longa-metragem, a sua primeira. Qual a expectativa em relação a este filme?

H.D.M. – O que posso dizer acerca deste novo projeto da minha primeira longa-metragem é que neste momento estou no processo de recolha dos currículos dos atores, que serão pré-seleciondados. Posteriormente, faremos o casting final. De resto, por enquanto não posso adiantar mais nada sobre o filme.

J.A. – Que tipo de apoios tem uma pequena produtora algarvia de cinema independente. Como sobrevive?

H.D.M. – Respondendo diretamente à pergunta: não temos apoio nem subsídios. Sobrevivemos com o nosso dinheiro, simples!

J.A. – Com tamanha falta de incentivos, qual a estratégia da Paradoxon para produzir e divulgar os filmes?

H.D.M. – O objetivo inicial foi somente o de produzir e realizar curtas-metragens. Posteriormente, tudo tornou-se mais sério, mas a postura inicial de produção independente manteve-se até hoje, nada mudou. A estratégia é simples: divulgação online nos sites da Paradoxon, contactos, e-mails e os festivais. É preciso ser persistente e não desistir. E também é necessário estar atento a todo o universo cinematográfico, quer envolva festivais, mostras ou exibições. Depois, é só enviar os filmes e esperar ser selecionado.

J.A. – Como é o cinema sem incentivos?

(…)

[Texto publicado na íntegra na JA Magazine de 1 de Julho]

Nuno Couto

———————————————————————————————————–

Filmografia:

Dissimulados (2000)
Kitchroom (2002)
Linhas Convergentes (2003)
A Saída (2003)
Ruínas (2003)
Pausa (2004)
Desiste! (2005)
LUV (2005)
Walking (2006)
Urbano (2007)
Psycho (2007)
Uma Vida Uma Linha (2007)
O Cinzeiro (2007)
Um Olhar (2007)
Amanhecer (2007)

Insónia(2007)
Fuga(2008)
Dia de Trabalho (2008)

Manhã Triste (2009)

———————————————————————————————————

In JA Magazina Nº 2779 de 1 de Julho
Advertisements

pub

 

Advertisements
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste