ALGARVE

Reforço de médicos no Algarve ainda não teve candidatos

Nenhum médico se candidatou até hoje ao anúncio para a contratação temporária de 60 médicos para reforçar as unidades de saúde algarvias durante o verão, segundo a Administração Regional de Saúde do Algarve (ARS).

“Até ao momento, ainda não temos candidaturas de médicos, o que não quer dizer que não possamos vir a ter”, afirmou à agência Lusa o presidente da ARS, Paulo Morgado, notando que ainda podem surgir candidatos até 30 de setembro, data até à qual vigora o programa de mobilidade temporária.

De acordo com o responsável, apesar de a lista elaborada pelo Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA) identificar a necessidade de 60 médicos para a região no verão, isso não significa que os hospitais não consigam assegurar as escalas.

“Trata-se de um número indicativo e este é mais um mecanismo que temos à nossa disposição para reforçar as escalas e dar resposta às necessidades que, nesta altura do ano, são sempre acrescidas, embora não muito, porque este ano está a ser um verão atípico, com poucos turistas”, notou.

Segundo Paulo Morgado, as escalas “estão asseguradas”, devido à contratação de médicos externos para ajudar a “colmatar as falhas que algumas vezes existem”, mas que, segundo o dirigente, têm sido “pontuais”.

O presidente da ARS/Algarve dá o exemplo das dificuldades em assegurar as escalas no serviço de Pediatria no hospital de Portimão, que “de vez em quando falham”, sendo este “um problema crónico”, com décadas.

“Não estamos a contar apenas com isto , nem é a forma principal que temos para dar resposta às necessidades. É mais um instrumento que temos à nossa disposição”, reiterou.

Este ano, além de médicos, o programa contempla enfermeiros e, neste caso, a ARS/Algarve já recebeu algumas candidaturas, mas “também não muitas” – cerca de sete, referiu. 

Paulo Morgado acredita que o facto de este ser um “ano especial” também pode “condicionar a adesão dos profissionais de saúde” que, tal como alguns portugueses, poderão optar por não sair da sua zona de residência.

A pandemia de covid-19 e o facto de haver menos mobilidade por parte da população portuguesa, assim como de turistas, já provocou uma redução na afluência aos serviços de urgências no Algarve em relação a anos anteriores, indicou.

O anúncio para a contratação de médicos durante o período de verão, num modelo excecional de mobilidade temporária, abriu em junho e vigora até setembro, contemplando alojamento e ajudas de custo. 

De acordo com a lista de necessidades de pessoal médico, Anestesiologia e Pediatria são as especialidades em que há mais profissionais em falta (sete em cada especialidade), seguidas de Medicina Intensiva e Ortopedia (seis cada).

Segundo a lista, ao todo seriam necessários 60 profissionais de 15 especialidades para o reforço de verão, 36 para o hospital de Faro, 18 para o de Portimão e seis para os centros de saúde.

Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: