OPINIÃO

SMS

A dívida de quem nada deve

CARLOS ALBINOA dívida de quem nada deve

 

A palavra dívida arrumou-se ao lado de outras palavras de consolo ou tristeza nacional e que são mais três ou quatro. Palavra que, pelo desmedido abuso político com que é manuseada, acabou por fazer que todo um povo se sinta punido por ter praticado coletivamente algum enorme crime contra a República Portuguesa, contra a Europa e contra o Mundo.

Primeiro, pelas artes matreiras alojadas na política, com uns tais artistas a resumirem a a política ao combate contra outros artistas, ocultou-se ou dissimulou-se que o aumento sem precedentes da dívida foi fundamentalmente devido à crise internacional que marcou o ano de 2008. Depois ninguém quis esclarecer bem qual a parte do endividamento externo público, a parte do endividamento externo privado e, muito em especial, a parte o endividamento do setor empresarial. Apenas se disse claramente que o povo teria que assumir que a dívida é insustentável, para além de duradoura, ficando na glória quem melhor conseguisse ou consiga nque o povo aceite uma culpa que não tem. E vieram os cortes a torto e a direito, na saúde, na educação, nas reformas, nos salários, cortes em tudo para todo o povo castigado. Longas explicações cifradas acompanharam e vão continuar a acompanhar este magistério de que as televisões se encarregam.

Por via da invocação em vão do santo nome da dívida, parece que chefes e candidatos a chefes querem inscrever os seus nomes (de preferência um só) no rol histórico dos homens que reabilitaram o País. Não ouvem ninguém, só eles sabem, curiosamente estando cercados ou mesmo tutelados pelos grandes responsáveis pela falta de previsibilidade das causas efetivas da dívida, senão até responsáveis pelo caminho direto para a crise, com o beneplácito que deram à prolongada especulação financeira a que se atrelou a enorme rede de interesses que cavou o poço da crise e, paradoxalmente, acabaram por beneficiar e beneficiam da dívida. Daí que não queiram ouvir falar de reestruturação da dívida, que não queiram ouvir falar de crescimento e de respeito pelas normas constitucionais, que apenas abstratamente concordem que tal reestruturação deva ocorrer no espaço europeu. O poço da crise é-lhes vantajoso e a dívida assumida pelo povo dá-lhes vantagem nas colunas do desemprego que é um grande mercado de recrutamento, nas colunas do trabalho barato e inseguro, por aí fora.

Como o que tem havido por aí não leva a nada, antes tudo se agrava cada vez mais até porque o tempos dos homens que sozinhos reabilitam países já passou (parece que passou, nunca se sabe) e se não passou termina sempre mal, é claro que, no mínimo, o que se impõe é que, no decisivo nível de representação nacional, haja debate que leve à preparação, em prazo útil, das melhores soluções para a reestruturação da dívida. É o que consta numa petição pública que acabo de assinar.

Flagrante política cultural: Pintura de campanários.

Carlos Albino

PUB
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste