Sócrates confiante nas medidas de austeridade

Em entrevista ao “Financial Times”, José Sócrates revelou estar confiante no futuro do país, alegando que as medidas de austeridade surtirão bom efeito.

O primeiro ministro, José Sócrates, revela-se confiante no futuro, sustentando que nenhum país procedeu a mais reformas nos últimos cinco anos e que as medidas de austeridade surtirão bom efeito.

“Desafio qualquer pessoa a mostrar-me um país que tenha sido mais reformista nos últimos cinco anos”, afirma José Sócrates, reconhecendo, todavia, que Portugal ainda não está acima da média europeia em termos de padrão de vida e de competitividade.

Em declarações a um suplemento especial sobre Portugal que o “Financial Times” publica na quarta feira, o chefe do Executivo congratula-se com os cortes na Administração Pública, referindo-se à redução de 73.000 funcionários (10 por cento) entre 2005 e 2009.

O governante fala também sobre o pacote de medidas para combater a crise, assegurando que as “dificuldades financeiras” que Portugal enfrenta teriam “uma impacto muito mais negativo na economia do que as medidas de austeridade” que está a aplicar.
Sócrates destaca crescimento do PIB

Na entrevista ao jornal, José Sócrates destaca igualmente que o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 1,1 por cento no primeiro trimestre deste ano e garante que Portugal vai fazer “tudo o que for necessário” para manter o compromisso de cortar o défice para 2 por cento do PIB em quatro anos.

No aspeto laboral, e citando a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), o primeiro ministro declara ao Financial Times que “Portugal tinha um dos mercados de trabalho mais rígidos do mundo desenvolvido”, enquanto agora está “próximo da Alemanha e melhor do que a França”.

O progresso na área da ciência é considerado pelo chefe do Governo como “absolutamente extraordinário”, com o investimento público na investigação a subir de 0,7 para 1,55 por cento do PIB entre 2005 e 2008, superando a Irlanda e a Espanha, e uma média de 7,6 investigadores por cada 1000 trabalhadores.

A finalizar a entrevista concedida ao jornal de negócios britânico, Sócrates reconhece que as reformas do seu Governo não vão “resolver todos os problemas de Portugal”, mas afirma-se “muito confiante” nos seus benefícios.

JA/Expresso

Advertisements

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar
albufeira -
Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste