Sócrates leva para a Alemanha primeira redução da despesa do Estado em 15 anos

José Sócrates reúne-se esta quarta-feira, pelas 16h00, com a chanceler alemã, Angela Merkel. Em cima da mesa deverão estar dois temas: a situação económica de Portugal e o futuro do fundo de resgate da UE, este último que será definido na cimeira extraordinária dos líderes europeus que decorre nos dias 11, 24 e 25 deste mês.

Na bagagem, o primeiro-ministro, que viaja acompanhado pelo ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, e pelo secretário de Estado e dos Assuntos Europeus, Pedro Lourtie, leva trunfos novos: os números de execução orçamental de janeiro e fevereiro, que apontam para um corte de 3,6 por cento na despesa do Estado, o primeiro desde 1996 relativo aos meses em questão, segundo escreve o «Diário de Notícias».

Contas feitas, ao registar esta queda, o Estado, principalmente a administração central, gastou 6.815,6 milhões de euros nos dois primeiros meses do ano (valor acumulado).

A ajudar este corte está a redução de 5,3% dos ordenados dos funcionários públicos (remunerações certas e permanentes).

A despesa corrente primária (excepto juros) caiu 3,9%, para 6.287,3 milhões de euros. O Estado gastou, assim, 1,3% da despesa total orçamentada.

Além disso, de acordo com os cálculos do «DN», Portugal pagou menos juros no período em questão: 151 milhões de euros, menos 3,2% face a janeiro e fevereiro de 2010.

Mercados apontam flechas: futuro definido este mês

A reunião de Sócrates e Merkel, em Berlim, acontece no dia em que Portugal volta a testar os mercados, com o leilão de duas linhas de Bilhetes do Tesouro, no valor indicativo de mil milhões de euros.

Os juros da dívida pública no mercado secundário atingiram em Fevereiro máximos históricos. Esta manhã, os juros da dívida a 10 anos estão a atenuar nos 7,4%.

Portugal é o país, que ainda não foi alvo de resgate, sujeito a maior pressão dos mercados. E as opiniões parecem ser unânimes: tanto a «The Economist» como o «Wall Street Journal» escrevem que se a reunião dos líderes da Europa falhar o futuro de Portugal fica definido.

Por isso mesmo, Sócrates vai tentar hoje o tudo por tudo para convencer Merkel de que flexibilizar o fundo de resgate europeu é a melhor solução.

pub

 

 

 

Tamanho da Fonte
Contraste