Telefónica alicia accionistas da PT com mais dividendos

A Telefónica vai propor na próxima assembleia de accionistas da PT o reforço da atual política de remuneração aos accionistas, mediante um “dividendo complementar e extraordinário” de um euro por acção.

A posição da Telefónica foi hoje comunicada à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola e está condicionada à aprovação, pela assembleia geral, da oferta apresentada pela Telefónica para a aquisição da posição da PT na operadora brasileira Vivo.

Na prática, a Telefónica quer que parte dos rendimentos com a venda da participação na Brasilcel — ‘holding’ que controla a Vivo e onde a PT e a Telefónica têm 50 por cento –  sejam distribuídos aos accionistas com um dividendo extraordinário de um euro por título.

Esse valor pode ser superior “se assim o acordar o Conselho de Administração” que pode, se necessário “completar o acordo aprovado na assembleia para garantir a sua correta execução”, refere a Telefónica na comunicação ao mercado.

Se a proposta da operadora espanhola fosse aceite, a Telefónica receberia mais de 76 milhões de euros, tendo em conta que controla actualmente 76.327.500 acções da PT.

A Telefónica considera que se a oferta pela participação na Brasilcel – que constitui o ponto 1 da assembleia – for aceite “contribuirá para reforçar substancialmente a situação financeira da PT”.

“Permite também a implementação de uma política de aquisições de investimentos financeiros estratégicos alternativas à participação na Brasilcel e, ao mesmo tempo, reduz consideravelmente a dívida financeira, aumenta os fundos próprios e mantém um nível adequado de liquidez”, defende a Telefonica.

A oferta, frisa a operadora espanhola na proposta remetida à CNMV, permite “consolidar e reforçar a política de distribuição de dividendos”, numa oferta “vantajosa para todos os seus accionistas”.

“Permite aumentar substancialmente a remuneração ao accionistas, através da distribuição de um dividendo extraordinário, à margem do pagamento de dividendos calculados de acordo com os lucros ordinários”, diz a empresa espanhola.

A operadora espanhola refere que a operadora portuguesa tem adoptado “uma política de distribuição de dividendos consistente” e que “pondera as oportunidades de negócio do grupo e as necessidade de financiamento da companhia por fundos próprios”.

A Telefonica nota que o Conselho de Administração da PT propôs a distribuição para o exercício de 2009, 2010 e 2011 de um dividendo por acção de 0,575 euros e sublinha que a empresa “reforçou o seu compromisso de oferecer retornos atractivos aos accionistas” e até “de manter ou aumentar a sua flexibilidade financeira para continuar a realizar investimentos em novos produtos e serviços”.

Lusa

Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste