Turismo algarvio em contagem decrescente para o Brexit

O presidente do Turismo do Algarve não esconde ao JORNAL do ALGARVE que, sendo o Reino Unido o principal mercado emissor do turismo no Algarve, e dado o aproximar da saída da União Europeia (previsto para 31 de outubro), o assunto tem merecido “especial atenção”.

“A questão do Brexit, associada à queda significativa da libra e aos preços oferecidos por destinos concorrentes como a Turquia, Tunísia ou Egito, são fatores que podem constituir ameaças para o turismo no Algarve”, refere João Fernandes, frisando que têm sido implementadas “uma série de medidas para minimizar eventuais impactos provocados por esta conjuntura desfavorável, nomeadamente uma possível redução do número de turistas britânicos”.

Perante este contexto, os objetivos da ATA passam por “investir na diversificação de mercados e, simultaneamente, na diversificação da oferta, com a aposta em novas motivações de visita à região”, nomeadamente em produtos como o turismo de natureza ou o turismo náutico.

João Fernandes, novo presidente do Turismo do Algarve. 23 Julho 2018. FOTO: VASCO CÉLIO/STILLS

“Queremos diferenciar e enriquecer a experiência de todos aqueles que visitam o Algarve, de forma a potenciar a fidelização e o passa-palavra. No que diz respeito ao Reino Unido, temos vindo ainda a trabalhar com instrumentos específicos e direcionados exclusivamente a esse mercado, nomeadamente um Plano de Produto e Mercado, criado pelo Turismo do Algarve, que visa colocar o nosso destino no topo das preferências do turista britânico no momento de consulta, decisão e compra de férias (através de ações online direcionadas ao consumidor) e reforçar o posicionamento diferenciador da região, alicerçado na qualidade e no valor, face aos destinos concorrentes”, adianta o responsável.

Algarve já tem plano de contingência

Por outro lado, João Fernandes realça que o Turismo do Algarve também contribuiu para a criação do plano de contingência para o Brexit, apresentado pelo Governo para o setor do turismo, que “garante aos britânicos que irão manter as condições de viagem de que beneficiam atualmente”…

Leia a notícia completa na edição em papel.

Nuno Couto