ALGARVE

Universidade cria plataforma Internet para reportar avistamentos de algas

algas
algas

Investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve (UAlg), e de várias outras universidades, estão a estudar algumas das algas que aparecem em grandes quantidades no mar ou na areia e pedem ajuda para que insiram eventuais avistamentos daquelas espécies numa plataforma de Internet, anunciou a UAlg.

O aparecimento e acumulação excessiva destas plantas marinhas pode estar relacionado com o excesso de nutrientes resultantes da descarga de efluentes urbanos ou até mesmo da fertilização excessiva na agricultura, no entanto, o cidadão comum tem agora a oportunidade de ajudar os investigadores a identificar estas algas e, assim, permitir a sua análise e monitorização.

Através da criação da plataforma “Algas na Praia”, que facilita o envio de um conjunto de informação sobre as algas encontradas, os investigadores pretendem apelar à participação do cidadão por forma a facilitar o estudo destas acumulações excessivas nas praias. O grupo de investigação pretende, numa fase inicial, saber um pouco mais sobre estas algas invasoras: de que espécie se trata? Quando e onde ocorrem?

“O registo sistemático das acumulações de algas na costa portuguesa permitirá, no futuro, responder a várias questões: o que está na sua origem? Quais os seus impactos? Estarão estas acumulações a tornar-se mais ou menos frequentes?”, sublinha a Ualg em nota de Imprensa.

Rui Santos, professor da Universidade do Algarve e investigador do CCMAR, defende a importância deste levantamento uma vez que “dependendo da espécie que está a causar a acumulação, o problema pode ser mais ou menos preocupante. Uma das maiores preocupações é a acumulação excessiva de algas invasoras, uma vez que estas podem ter um impacto muito negativo nas espécies nativas das nossas costas”.

Apesar do grupo de trabalho não proceder à remoção das algas na praia, atuará no sentido de contactar as autoridades competentes sempre que se justifique, tirando partido do ponto de vista científico das algas removidas e dos seus potenciais benefícios para a saúde.

Através do projeto NUTRISAFE, os investigadores procuram também desenvolver um novo suplemento alimentar, a partir de algas invasoras que se acumulam nas praias. Dina Simes, professora da Universidade do Algarve e investigadora do CCMAR, responsável por este projeto, salienta que “algumas destas algas apresentam compostos com caraterísticas anti-inflamatórias e de proteção vascular e pulmonar, pelo que podem ser utilizadas em suplementos alimentares que permitem reduzir comorbidades comuns associadas ao envelhecimento e às doenças inflamatórias crónicas.

Para mais informações consulte aqui a página do projeto ‘Algas na Praia’.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste