Ventania
Ventania
CULTURA

“Ventania” traz ecologia, sustentabilidade e cidadania a Lagos e Lagoa

‘A 3.ª edição do Festival Ventania apresenta, entre 2 e 4 de junho, em Lagos, e 11 e 12 junho, em Lagoa, obras que trazem a ecologia, sustentabilidade e cidadania para a Arte, anunciou a organização do evento​​.

Os constantes ventos do barlavento algarvio (zona oeste) são o mote para o nome e filosofia do festival, numa toada de “mudança, transformação” e de “reflexão nas temáticas da ecologia e da cidadania”, que este ano procurou espetáculos que “tragam soluções”, afirmou à Lusa uma das diretoras do festival.

O Ventania procura ser uma “ferramenta de reflexão” do território onde atua, cumprindo um dos objetivos da Arte de trazer “novas perspetivas sobre uma mesma realidade”, daí proporcionar também ”muitos momentos de conversas entre os artistas e público”, revelou Nelda Magalhães.

A programação do Ventania está este ano distribuída por três momentos: de 2 a 4 de junho, em Lagos, a 11 e 12 de junho, em Lagoa e, a 11 de setembro, em Portimão, e uma das apostas é o “trabalho com a comunidade escolar” a decorrer “desde abril”, em Lagos e Lagoa, mas também com a comunidade artística da região.

Em Lagos, o ceramista Ricardo Lopes coordena o projeto a “A Água na Terra” com a turma de 3.º ano da Escola EB1 e JI de Santa Maria de Lagos, explorando uma técnica ancestral de irrigação subterrânea com potes de barro não vitrificados, que poderão vir a ser uma das soluções para a escassez de água no território.

“As crianças aprenderam a construir potes que são colocados dentro da terra, para que as raízes das plantas e das árvores vão beber. As suas peças vão depois para as hortas escolares”, adiantou.

Este trabalho é apresentado na instalação artística do projeto “Windy”, que inaugura o festival e reúne o trabalho do ceramista e dos alunos a um ambiente sonoro criado pelo artista multidisciplinar Carlos Norton, no Espaço Jovem de Lagos, durante os três dias.

A cocriação artística com a comunidade algarvia estende-se também ao projeto de teatro físico e circo contemporâneo “Uns Amb Altres”, com a direção artística do catalão Pau Portabella, que aborda a “liberdade, a individualidade e a posição do indivíduo em sociedade”.

O espetáculo é protagonizado pelo recém-formado Coletivo Ventania, um grupo de variados artistas algarvios que se uniram num projeto âncora de criação coletiva na região e que se apresenta, no dia 3, no Espaço Jovem de Lagos, no dia 12 de junho, no Anfiteatro do Sítio das Fontes, em Lagoa, e, a 11 de setembro, em Portimão.

“Ecosofía”, com direção artística da chilena Camila Rojas Cannobbio, tem estreia europeia a 2 de junho, no Centro Cultural de Lagos, e encerra a programação do Ventania, na cidade. Inspirado na vertente filosófica que lhe dá nome, a obra funde acrobacia, dança, projeções e som, envolvendo o público numa encenação que questiona o “equilíbrio do ser humano com o meio ambiente”, realçou a diretora.

Em Lagoa, o trabalho do maestro e compositor Jorge Salgueiro, com os alunos dos 6.º e 7.º anos do Agrupamento de Escolas da ESPAMOL, deu origem a “Androidinóplois, a capital da Nova Ordem (Oratória Apocalíptica para Coro de Crianças e Ensemble)”, um alerta para uma ação urgente ao nível da sustentabilidade e das preocupações ambientais, que é apresentado a 11 de junho, no Auditório Municipal Carlos do Carmo.

“[O espetáculo] Levamo-nos até 2063, numa espécie de reino fechado, Androidinóplois, a capital da Nova Ordem, onde as pessoas andam confinadas e muito controladas, e onde surge uma revolução protagonizada pelas crianças”, revelou Nelda Magalhães.

A programação em Lagoa acolhe ainda, no dia 12, a ‘conversa-debate’ “Arte, Ativismo e Sustentabilidade” sobre a Sustentabilidade social e ambiental na criação artística, e que irá acontecer num formato ‘online’.

O Festival regressa a 11 setembro, em Portimão, com o espetáculo “Océaniques Anonyme”, da companhia francesa Poème em Volume, em coprodução com a KALE Companhia de Dança, a peça “Aurora”, do Teatro de Marionetas das Mandrágora, e o teatro físico e circo contemporâneo de “Uns Amb Altres”.

PUB
Tamanho da Fonte
Contraste