Idosos de Castro Marim rendidos às novas tecnologias

Santa Casa da Misericórdia coloca a inovação tecnológica ao serviço da inclusão social. Os utentes do Lar e Centro de Dia e os respetivos familiares agradecem

.

Os olhos cintilantes de Alice Caleiro, de 68 anos, utente da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim, não escondem o entusiasmo: “Isto é maravilhoso. É uma alegria poder ver e falar para a Suécia com a minha querida sobrinha”.

A instituição investiu recentemente na aquisição de uma inovadora ferramenta tecnológica, a plataforma Sioslife, adaptada à população idosa, que permite uma maior inclusão social, ajudando as pessoas a estarem mais próximas dos seus familiares e amigos, facilitando o trabalho dos cuidadores.

Permite, ainda, através de uma comunicação simplificada, que os idosos mantenham o contacto com os seus familiares, utilizando aplicações simplificadas de videochamada, mensagens e partilhas de conteúdos, como fotografias e vídeos.

Paralelamente, a plataforma permite o acesso a conteúdos selecionados em função dos gostos pessoais de cada utilizador, como jogos, música, filmes, notícias, jogos interativos de estimulação cognitiva e de atividade física. Outro aspeto inovador é que o familiar do utente, acedendo ao seu perfil, consegue seguir as atividades que o mesmo vai desenvolvendo.

Para Elvira Gonçalves, de 87 anos, a surpresa é extraordinária no momento dos primeiros contactos com as novas tecnologias: “Nunca tinha visto um computador, muito menos mexido num, mas não é nada difícil. Está tudo muito bem preparado para pessoas como nós. O que fazemos nele é tão engraçado… Principalmente o jogo das contas e das palavras. Os dias passam melhor”.

Natalie Hinrichsen Ventura, residente na Alemanha, filha de um dos utente da instituição, considera “uma excelente ideia” o recursos a esta plataforma: “Para além de poder ver e ouvir o meu pai todos os dias, também adiciono no perfil dele fotografias da família, atuais e antigas, porque acho importante que ele mantenha as memórias de momentos felizes. Por outro lado, acho também que ele se sente mais acompanhado e mais próximo de nós, que estamos tão longe.”

Por seu turno, Fátima Valentim, sobrinha de uma utente do Lar, destaca que se trata de “uma mais valia na ‘ponte de afetos’ que se deve estabelecer entre as instituições e os familiares”. Esta iniciativa “é de louvar, uma vez que nos permite comunicar e interagir com os nossos entes queridos e, desta forma, ainda que ausentes, estarmos presentes. Isto é potenciar o verdadeiro espírito de família.”, sublinha.

Quando questionada sobre esta ferramenta tecnológica, Susana Ribeiro, educadora social da instituição, salienta as oportunidades que a mesma cria para diversificar a oferta na área da ocupação de tempos livres. “Os nossos utentes estão entusiasmadíssimos, até mesmo aqueles que nunca tinham visto um computador, e isso é impagável. Acompanhar a evolução da sociedade e desmistificar as novas tecnologias junto desta população é muito útil”, refere a técnica.

Para José Cabrita, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim “este investimento, apesar de representar um esforço financeiro adicional, é amplamente justificado pela mais valia que representa na interação entre idosos e familiares, sobretudo os que residem fora e não podem manter o acompanhamento que desejariam” aos seus idosos.

“Nenhum esforço é de mais quando o que está em causa é o bem estar destas pessoas”, defende.

A diretora técnica da Instituição, Iola Fernandes, começa por referir que a aquisição desta plataforma tecnológica não surge por acaso: “Desde 2015 que a Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim está apostada em prosseguir um trabalho de humanização e individualização do cuidar”.

Além dos benefícios já referidos, Iola Fernandes aponta outras valias: “A adicionar a esta plataforma, que promove uma solução inovadora e responde às necessidades individuais identificadas num grupo bastante heterogéneo de utentes, está a ser realizado um grande investimento noutro tipo de instrumentos de trabalho e de conhecimentos que possibilitam a adoção dos modelos de intervenção que mais nos aproximam dos cuidadores que queremos ser. Estamos apostados em trabalhar instrumentos que promovam a estimulação cognitiva e o raciocínio, a par de uma intervenção baseada na reminiscência, por estarmos crentes nos benefícios que este tipo de abordagem pode aportar para a população com transtornos neurocognitivos. Felizmente, temos no senhor provedor o grande entusiasta da inovação e da excelência”.

Refira-se que a Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim tem em curso um ambicioso plano de investimentos que passa pela ampliação do Lar e Centro de Dia José Guilhermino Anacleto e, ainda, pela construção da Estrutura de Internamento e Centro de Dia para Doentes de Alzheimer, que estará, ainda, preparado para acolher pacientes com outras demências.

Advertisements
albufeira -
Advertisements
Tamanho da Fonte
Contraste