Bloco de Esquerda reúne com a Docapesca

A direção distrital de Faro do Bloco de Esquerda esteve reunida com a administração da Docapesca, tendo apresentado um conjunto de questões sobre problemas trazidos pelas comunidades piscatórias do sotavento algarvio e também por “cidadãos ativistas”.

Foi abordada a deslocalização do edifício da lota de Tavira, “agora que foram conhecidas dificuldades técnicas no decorrer da intervenção de requalificação da infraestrutura existentes”. A obra está orçamentada em cerca de 1,5 M de euros.

Os bloquistas questionaram a direção da Docapesca sobre se considera “deslocalizar a infraestrutura para um local mais favorável à atividade piscatória, mais próxima da rede viária, e libertando a frente ribeirinha de Tavira, integrando finalmente este espaço na zona de lazer da cidade”. Caso esta resposta seja positiva, os bloquistas, consideram que as comunidades piscatórias “devem ser auscultadas no sentido de conhecer a opinião sobre o assunto assim como sobre o novo local para instalar a lota”.

A delegação do Bloco quis também saber quais as medidas adotadas para a “intervenção urgente de requalificação do paredão do antigo porto comercial e cais fluvial transfronteiriço de Vila Real de Santo António”.

Segundo a Docapesca, empresa do setor empresarial do Estado, tutelada pelo Ministério do Mar, já há um concurso e procedimento em curso, tendo a obra, no valor a rondar 1 milhão de euros, sido concessionada, prevendo-se o seu início neste ano e a sua conclusão em 2020.

A direção distrital do Bloco de Esquerda teve ainda oportunidade para tomar conhecimento sobre o plano de dragagens no Ria Formosa, da competência da Docapesca, designadamente junto a cais de embarque, cais de navegação e na doca de recreio de Faro, sabendo que a intervenção para este local está prevista iniciar-se em breve.

 

pub

 

 

 

Tamanho da Fonte
Contraste