Centro Hospitalar do Algarve sem aumento significativo de afluência

Questionado pela agência Lusa sobre a “pressão” que a falta de resposta do serviço telefónico da Linha Saúde 24 está a ter nas urgências hospitalares, devido ao aumento do número de casos de covid-19 que se têm registado nos últimos dias, o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) adiantou também que se tem “mantido o número de internamentos sem grandes alterações na última semana, quer em enfermaria, quer em UCI [Unidade de Cuidados Intensivos]”. 

A mesma fonte garantiu que, na “afluência aos Serviços de Urgência”, e apesar de se estar a registar “uma grande afluência, como é normal nesta altura do ano”, até ao momento não foi verificado “qualquer aumento significativo ou extraordinário” na procura por parte dos utentes da região do Algarve. 

“Mais se informa que o CHUA continua na fase 2 do plano de contingência e por isso mantém a atividade assistencial normal. Caso se verifique necessário, avançaremos para as fases seguintes do referido plano”, assegurou ainda o centro hospitalar algarvio, que faz a gestão dos hospitais de Faro, Portimão e Lagos. 

Ao contrário do que o CHUA reporta estar a acontecer no Algarve, há serviços de urgência de hospitais portugueses que têm registado “procuras recorde” nos últimos dias, em grande parte casos não urgentes, devido à “falência” das outras respostas do sistema de saúde, disse à Lusa um responsável da associação de administradores hospitalares. 

“Temos urgências sobrelotadas. Tem havido uma procura superior à média, quer por conta das patologias não covid, que já é habitual neste período do ano agudizarem-se, quer por conta de casos de covid-19 que têm subido muito fortemente nos últimos dias”, disse Xavier Barreto, vogal da direção da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH). 

Xavier Barreto afirmou que se trata de uma subida prevista, mas, disse, “o que não era previsível era a falência das outras respostas para estes doentes”, nomeadamente da Linha Saúde 24 e dos cuidados de saúde primários, que estão ocupados com atividades ‘Trace-Covid’ e com a vacinação. 

- Publicidade -

“Os serviços de urgência hospitalares acabam por ser vítimas dessa falência das outras partes do sistema”, com “picos de procura enormes” nos últimos dias, considerou. 

Segundo o responsável, 30% a 40% da procura que os hospitais têm tido nos últimos dias são de casos não urgentes, particularmente de doentes com covid-19, muitos deles para fazer o teste. 

“Não faz sentido que as urgências estejam sobrelotadas com estes doentes, que deviam ter tido um outro tipo de resposta e infelizmente não tiveram”, lamentou. 

A mesma fonte considerou ainda que o reforço da linha telefónica anunciado pelo Ministério da Saúde, assim como dos rastreadores de contactos suspeitos de covid-19, não faz sentido “depois de o problema já estar criado”. 

“Devia ter sido feito antes, antecipando o problema e evitando que ele acontecesse”, mas, vincou, “vamos esperar para ver o que é que decorre destes reforços (…) e se se consegue recuperar isto, vamos ver”. 

- Publicidade-spot_img

Deixe um comentário

- Publicidade-spot_imgspot_img

+ Populares

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -santos-populares-portimao

Leia Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite o seu comentário!
Por favor, digite o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Tem uma Dica?

Contamos consigo para investigar e noticiar

Tamanho da Fonte
Contraste