Fatacil: uma história que começou em 1980

Há quarenta anos nascia a primeira Feira Regional de Lagoa. No ano seguinte, em 1981, o evento foi batizado de Fatacil, nome que se manteve até aos dias de hoje. Mas nestas quatro décadas muita coisa mudou – na primeira edição eram 11 expositores e agora são mais de 700. E o número de visitantes disparou dos 1.500 para os 180 mil, sendo que, ao longo de todos estes anos, já passaram pela Fatacil mais de quatro milhões de pessoas…! A edição deste ano, que vai decorrer entre os dias 16 e 25 de agosto, promete ser uma “edição especial” para comemorar a história desta feira emblemática do Algarve

A história da Fatacil de Lagoa escreve-se desde o início da década de 80. Estávamos a 21 de junho de 1980 quando a então Feira Regional de Lagoa abriu as portas pela primeira vez, numa altura em que ainda não existiam muitos eventos para animar o verão algarvio.

O objetivo era modesto: escoar alguns produtos e, ao mesmo tempo, servir de incentivo à produção local. Naquela primeira feira, foram poucos os expositores – apenas onze (entre os quais três artesãos) –, tendo o certame de nove dias sido visitado por pouco mais de 1.500 pessoas.

No entanto, logo no ano seguinte, em 1981, a feira já contou com 60 expositores e 7.000 visitantes, deixando antever o sucesso em que se viria a tornar nos dias de hoje. Foi também nesse segundo ano que o evento foi batizado com o nome de Fatacil – Feira de Artesanato, Turismo, Agricultura, Comércio e Indústria de Lagoa, que se mantém desde então.

Com os anos, o certame foi crescendo lentamente. O número de expositores aumentou para 200 em 1982, para 250 em 1983, 270 em 1985, até que começou a evoluir rapidamente no final dos anos 80, passando a ser considerada como “a maior feira de atividades económicas do sul de Portugal”.

Na próxima edição, que se realizará entre os dias 16 e 25 de agosto, a feira já vai contar com mais de 700 expositores, podendo orgulhar-se de já ter recebido cerca de 20 mil expositores e mais de quatro milhões de visitantes desde aquele longínquo dia 21 de junho de 1980…!

Edição memorável”

“Foi uma iniciativa considerada pioneira ao nível de certames empresariais no Algarve, num período em que o turismo começou a ser o principal motor económico da região”, lembrou o presidente da Câmara de Lagoa, Luís Encarnação, que tinha apenas 12 anos quando a primeira feira abriu as portas.

O autarca voltou ao local do primeiro evento, no verão de 1980, para apresentar as novidades da 40ª Fatacil, que promete ser uma “edição memorável”. A apresentação decorreu, na passada quinta-feira, no local onde tudo começou, numa pequena tenda instalada no coração do Parque de Feiras e Exposições de Lagoa.

“As expetativas são elevadas. Esperamos que esta seja a melhor de todas as feiras realizadas até ao momento”, salientou Luís Encarnação, que acompanhou de perto a evolução desta feira.

O autarca frisou que “todos os lagoenses orgulham-se da Fatacil”. “A população sente que é um evento de todos. Mexe com a cidade, com o concelho e leva o nome de Lagoa a todo o país e além-fronteiras. A Fatacil chega mesmo a rivalizar com a própria notoriedade do concelho de Lagoa. É, sem dúvida, uma marca identitária do nosso concelho”, sublinhou.

Mas neste percurso de quatro décadas de história da Fatacil nem tudo foram rosas. Ao longo dos anos, a feira foi sofrendo altos e baixos. O período mais difícil terá sido em 2013, “quando tivemos acesso aos números e à realidade da Fatacil”. “A situação era muito difícil, mas conseguimos inverter claramente essa tendência perigosa após a extinção da antiga Fatasul”, explica Luís Encarnação. Foi nesta altura que a organização do evento passou diretamente para a responsabilidade do município.

“Há cinco anos, a Fatacil estava a perder fulgor e pujança. Perdia expositores, visitantes e atratividade. Conseguimos inverter esse percurso e, em maio passado, vimos reconhecido esse trabalho, pois a Fatacil venceu o Prémio Cinco Estrelas Regiões 2019 e foi ainda nomeada para os Iberian Festival Awards”, realçou o autarca de Lagoa.

40 anos, 40 novidades”

Para esta 40ª edição, que terá um investimento de um milhão de euros, o município decidiu criar um mote: “40 anos, 40 novidades”. Entre esta “mão cheia” de novidades está a mudança do palco para o relvado do estádio municipal, que vai ser requalificado após a feira. “Esta alteração vai permitir aumentar a capacidade do recinto, passando a capacidade máxima de 20 mil para 25 mil pessoas por dia”, explicou Luís Encarnação, adiantando que a organização espera aumentar assim o número de visitantes, que no ano passado andaram perto das 180 mil pessoas nos dez dias do evento.

Para isso, a organização conta com “um cartaz musical fortemente orientado para o público mais jovem”. Este ano, o cartaz inclui alguns dos melhores artistas nacionais, logo a começar com os Xutos e Pontapés (dia 16), que também celebram este ano o seu 40º aniversário.

Seguem-se os concertos de Calema (17), Wet Bed Gang (18), João Pedro Pais (19), Matias Damásio (20), Quim Barreiros (21), Blaya (22), Jorge Palma (23), Mariza (24) e Richie Campbell (25).

As restantes novidades são a instalação de mais câmaras de vigilância no recinto, para aumentar a segurança, o reforço de estacionamentos e bilheteiras, para facilitar o acesso e a entrada à Fatacil, assim como a utilização de copos reutilizáveis.

Artesanato é “a menina dos olhos”

Por outro lado, o presidente da Câmara de Lagoa referiu que “o artesanato sempre foi, e vai continuar a ser, a menina dos olhos da Fatacil”. Assim, nesta edição, a organização conta com o apoio da Associação dos Artesãos do Algarve para selecionar os melhores artesãos, sendo que os que vão trabalhar ao vivo não vão pagar o stand de exposição.

Ao mesmo tempo, a Fatacil vai voltar a contar com o espaço ‘Amar a Terra’, que é “a grande montra dos produtos que se fazem no Algarve, da serra ao litoral”.

Outra das atrações desta feira é o setor equestre, que atrai todos os anos milhares de pessoas a Lagoa. Emídio Paias, que tomou as rédeas deste setor em 2010, é o segundo expositor mais antigo desta área da Fatacil. “Quando comecei queria fazer deste evento uma referência nacional. Hoje, posso dizer com orgulho que já é uma referência internacional”, frisou.

O presidente da autarquia revelou ainda outra novidade desta edição. Assim, para assinalar esta data da memória da Fatacil, a organização vai oferecer duas entradas gratuitas a cada um dos visitantes nascidos a 21 de junho de 1980, ao longo dos 10 dias de duração da 40ª Fatacil.

Os bilhetes individuais para esta edição custam quatro euros (mais 50 cêntimos em relação ao ano passado), sendo que a entrada é gratuita para crianças até aos 12 anos.

A organização revelou, ainda, que o primeiro-ministro António Costa vai visitar a Fatacil, mas ainda não foi divulgado o dia da visita do governante.

(Notícia publicada na íntegra na última edição em papel)

Adiconar comentário

Carregue aqui para comentar

Comentar

>
Tamanho da Fonte
Contraste