ALGARVE ÚLTIMAS

Maratona de sete horas de teatro no Cine-Teatro Louletano

[mobileonly] [/mobileonly]

Vai ter lugar no Cine-Teatro Louletano, no próximo dia 16 de março, uma maratona teatral, com início às 16h00 e término às 23h00, no âmbito da XIV edição dos CENÁRIOS – Mostra de Teatro do Concelho de Loulé.

Esta iniciativa prevê a apresentação de três peças levadas a palco por grupos de teatro amadores, ligados a estruturas associativas, do concelho de Loulé: o TAL – Teatro Análise de Loulé (da Casa da Cultura de Loulé), o grupo Arte de Viver (da Universidade Sénior de Loulé) e a Associação Artística Satori.

A iniciativa, da autarquia louletana, pretende promover o teatro junto dos vários públicos e, simultaneamente, incentivar os grupos de teatro amador do concelho a prosseguirem o seu trabalho através da atribuição de uma bolsa de apoio ao teatro e da disponibilização de uma componente formativa para os mesmos.

“A maratona teatral é o novo formato escolhido para as apresentações das novas criações dos grupos no contexto específico do Cine-Teatro Louletano, mantendo-se à mesma a ideia de circulação destas peças originais por vários espaços das freguesias do concelho, disseminando e descentralizando assim a oferta cultural camarária no sentido da criação de novos públicos e de consolidação dos já habituais seguidores da prática teatral”, salienta a autarquia.

Assim, no dia 16, pelas 16h00, sobe ao palco a peça “Semáforo”, encenada por Fernando Cabral, da associação Artística Satori. Segundo o encenador, “Semáforo” “é um instrumento utilizado pelo mundo, linguagem simples e de fácil assimilação, zona de direito e conflito. Um local onde se confunde arte com esmola.”

Às 18h00 é a vez do coletivo Arte de Viver, da Universidade Sénior de Loulé, apresentar “Cantando Espalharey”, a peça encenada por José Teiga e baseada na vida e obra do incontornável poeta Luís de Camões.

Pelas 21h30, o grupo de Teatro Análise de Loulé apresenta, com encenação de Mariana Teiga e textos de António Clareza, a peça “Aqueles Tristes Dias…”, fora do cariz humorístico a que o grupo de teatro da Casa da Cultura de Loulé nos vem habituando nos últimos anos. Segundo Mariana Teiga, “Aqueles tristes dias…” é uma peça que alerta quem não conheceu os tristes e sofridos dias das gerações dos seus pais e avós e que ao mesmo tempo relembra a estes um tempo que dizem jamais gostar de voltar a viver.

Todos os espetáculos realizados no Cine-Teatro têm um custo associado por pessoa de cinco euros (sem descontos aplicáveis), e o ingresso conjunto para os três espetáculos (uma novidade na edição deste ano da mostra) custa 10 euros, sendo as apresentações nas freguesias de entrada gratuita.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Tamanho da Fonte
Contraste
%d bloggers like this: